Burla na venda de terrenos lesa proprietários e madeireiro

DB/CARLOS JORGE MONTEIRO

Um homem, de cerca de 50 anos, identificando-se como enfermeiro nos Hospitais da Universidade de Coimbra vendeu, a 2 de janeiro deste ano, eucaliptos, pinheiros e acácias de um terreno que não lhe pertence, localizado em Meãs do Campo, Montemor-o-Velho.

O negócio, que contemplou as árvores de dois terrenos, numa área superior a dois mil metros quadrados, foi feito por cinco mil euros com Artur Simões, um madeireiro de Penacova.

O homem que se dedica ao comércio de madeira há cerca de 30 anos, começou ontem o corte das árvores para vender a madeira estimada em 200 toneladas. Mas António Queda e a prima, Maria Nina Alves, os verdadeiros proprietários, deram conta de que os seus terrenos estavam a ser “assaltados” e chamaram a GNR, ontem pelas 14H00.

“Estão-me a roubar. Eu não queria vender, nem cortar, nem fazer nada a este terreno. Não cortava estes eucaliptos por dinheiro nenhum”, disse António Queda, pouco depois de ter “apanhado o madeireiro em flagrante”.

Versão completa na edição impressa

One Comment

  1. Zé da Gândara says:

    Nas Meãs do Campo é costume assistir-se a fenómenos raros desta envergadura 🙂 Mas com tanta madeira queimada por aí e que se vende a pataco, não terá soado a muita esmola ao Sr. Madeireiro a venda de madeira, supõe-se que não queimada em época de abundância de madeira barata queimada?

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.