Santana Lopes e Rui Rio ontem em Coimbra em campanha para as eleições internas do partido

Posted by

Pedro Santana Lopes disse ontem, em Coimbra, que “comigo como líder do partido não haverá discordância todos os dias. Haverá concordância no que deve haver, e alternativa naquilo em que ela deve ser levada a cabo”, afirmou Pedro Santana Lopes, que falava aos jornalistas, depois de ter feito uma intervenção e participado num debate no Conselho Nacional da Juventude Social Democrata (JSD), que decorreu em Coimbra.
Antes, durante o dia, esteve em Pampilhosa da Serra, um dos municípios no interior do distrito de Coimbra particularmente atingido pelos fogos florestais deste ano, e de onde o antigo primeiro-ministro regressou com vontade de “dizer a toda a Lisboa, aos outros portugueses”, que deveriam ir aos concelhos “calcinados, destruídos” pelas chamas e que “exigem, de facto, um grande apoio nacional”.
“Temos de ajudar à reconstrução e eu – perdoem-me puxar pelos galões – acho que tenho vocação, preparação, maneira de ser para realizar obra, para fazer esse trabalho de recuperação, de reabilitação e de reconstrução que o país precisa em muitas zonas”, afirmou aos jornalistas.
Basta falar com os presidentes das câmaras de Pedrógão Grande, de Castanheira de Pera e de Figueiró dos Vinhos, para se conhecer o papel que “tive logo a seguir” aos incêndios e “sem câmaras de televisão” ou outros órgãos de comunicação social, salientou Pedro Santana Lopes, referindo que a Misericórdia de Lisboa apoiou aqueles municípios, designadamente na recuperação de casas.
Além do anterior presidente da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, também esteve no encontro o outro candidato à presidência do PSD, Rui Rio, igualmente convidado a participar num debate, fechado à comunicação social e numa intervenção aberta aos jornalistas.
“O PSD tem de reagir para não correr o risco de ficar reduzido a um partido sem condições para liderar um governo e apenas com capacidade para influenciar a governação do país”, disse por seu lado, neste encontro em Coimbra, Rui Rio.
“Temos de reagir ou de agir” sob pena de “corrermos o perigo de acontecer ao PSD aquilo que aconteceu a outros partidos na Europa”, os quais foram “grande referência” política e governaram durante “anos e anos”, mas que, depois, “praticamente desapareceram ou perderam significado”, sustentou o candidato à liderança do partido.
Rui Rio também se deteve em resultados eleitorais do PSD das autárquicas de 01 de outubro deste ano, designadamente comparando-os com resultados em eleições autárquicas anteriores, para sublinhar a perda de influência do partido, defendendo que a “implantação [de um partido] no território não se mede tanto pelos deputados”, mas antes pelos autarcas.

2 Comments

  1. já sei porque falo nesse gajo é porque é presidente da santa casa de misericordia de lisboa d e aposta na lotaria no totoloto e joker da sorte

  2. Silva das Beiras says:

    Como candidato a uma camara da figueira da Foz ainda vá.Candidato a Primeiro ministro de Portugal?

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*