Opinião: De novo a pia de água

Posted by

Diogo Cabrita

Há um conjunto de razões gratuitas que nos indignam. Há milhares de pequenos gestos que mudavam muitas coisas mas seriam desnecessários se quem pode exercesse o poder. Faz uns dois anos escrevi sobre uma pia de água num gabinete de cirurgia. A pia se lá esteve fugiu. Pedi a bacia para lavar as mãos há mais de dez anos. Trata-se do lugar onde observamos, diagnosticamos e tratamos doentes na Urgência dos Covões. Foi pensado para ser um bloco periférico. Foi construído com os rigores de um bloco operatório mas nunca o foi. Teve um ventilador que nunca ventilou e retiraram-no. Tem candeeiros de topo. Uma marquesa de grande qualidade. Depois colocaram-lhe computadores e teclados e fizeram ali a observação cirúrgica ao molho. Ali três médicos atendem os que se vão inscrevendo e sendo triados para cirurgia. O ridículo é que não se pode lavar as mãos. Não tem pia de água porque era para ser bloco e nunca foi. Fiz queixa. Pedi intervenção para adequar o espaço há sua real função. Ele é dedo no rabinho (com luva, bem entendido) ele é drenagem de pús ( com kits adequados, obviamente) mas depois de tirar luvas há que empurrar uma cortina, abrir uma porta e percorrer um corredor com frequência cheio de macas para lavar as mãos. Mas porque não há lavatório? Por simples infantilidade da teimosia. Pedi e riram-se. Houve até quem no Conselho de Administração fizesse galhofa. Pedi inúmeras vezes a pia para corrigir maus costumes de gente em formação. Vieram directivas de Lisboa. Veio um inquérito da Ordem. Troquei cartas com o bem-intencionado Carlos Cortes, mas a verdade é que mãos -ninguém lava ali. Houve gente que recuso nomear pela distância que já nos separa que vendeu á Ordem dos Médicos a ideia que era errado porque era um bloco. Mas bloco nunca houve ali. Naquele espaço onde se despendeu uma fortuna para fazer uma sala cirúrgica para eventualidades pode-se colocar uns clisteres, pode-se lavar uma ferida infectada, mas operações nunca tiveram lugar. Lavar as mãos também não. Isto é a ignomínia de uma instituição, é a derrota por cansaço. Isto é o lixo onde se sonhou o luxo. Realmente sofro do mal da indignação e da ferocidade porque bebo desse licor de inutilidade de chefias, bebo essa força da ineficiência e maldade gratuitas há décadas. Quem devia cuidar de gerir quer os seus lugares para receber os seus salários sem incomodidade. São empregos a que não corresponde exercício de função, a que não corresponde trabalho. O Carlos Cortes comeu com uma resposta tola e acatou-a como séria. O problema é que a seriedade tem que ser aferida pois não basta parecer, é preciso provar e dois anos depois não se lavam as mãos ali.

One Comment

  1. Curruptus Orelhudus says:

    Pilatos a fazer escola!

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*