Opinião: Do amor bem pensado e melhor cantado ao ódio opinado sem razão

Posted by

Joaquim Amândio Santos

Adoro uma boa canção de amor. Profunda, bem estruturada, com um poema sólido, intenso e realmente construído sob a égide plena dos favores exclusivamente provenientes de musas.

Ainda mais quando a sua interpretação toca as raias da perfeição.

Por isso, parabéns ao Salvador e à Luísa Sobral pelo talento e pela doce coragem de serem tanto autênticos. A sua canção e as suas carreiras merecem muito mais do que apenas a Eurovisão.

Não receio minimamente que a minha nota de abertura desta crónica possa parecer um desabafo lamechas, capaz de ser catalogado junto de uma qualquer corrente com fotos de gatinhos fofos ou golfinhos cor-de-rosa pulando em águas brilhantes ao pôr-do-sol, acompanhados de frases inócuas em letra curva e artística, desafiando as redes sociais a mais uma corrente, pugnando por milhares de comentários profundos, algures entre o “amei, viu?!” e o “amén, Deus o guarde!”.

Não é que o Festival da Eurovisão saia agora redimido de ser casa (pouco) espiritual de um conceito de música(?!) reservado a gigantescos concursos anuais de escalada de decibéis, debitados em inglês maioritariamente assassinado no sotaque e na gramática, enquanto em palco, fogo-de-artifício e iluminação se digladiam com fervorosos movimentos a que chamam coreografias e que nos remetem para o imaginário dos desenhos animados de Tex Avery, ou nos cria expectativa de que tudo aquilo vai acabar num qualquer Serviço de Ortopedia.

Mas entende-se a existência de um festival assim, nem que seja porque tenha acontecido uma lobotomia generalizada a nível global.

Talvez essa seja mesmo a única razão possível que justifique as audiências colossais acumuladas, ano após ano, e que vão justificando as faturas também gigantescas que cada país assume para organizar a festa.

Nesse ato cirúrgico simbólico reside também muito do raciocínio (leia-se falta dele…) que preside a uma boa parte das intervenções assumidas nas redes sociais.

Uma das últimas “pérolas” coletivas lusitanas nasceu da partilha generalizada de um excelente artigo escrito pelo jornalista Manuel de Lorenzo, no jornal El Español, a 15 de Maio.

Num texto onde a ironia se junta à metáfora, Lorenzo “acusa” Portugal de ter feito “batota” ao não apresentar um karaoke foleiro e, em vez disso, subir a palco com uma canção bem escrita e melhor cantada. Acrescenta que somos uns malandros por levarmos a música a sério e ganharmos. O texto é um elogio tão belo quanto merecido pela canção e pelo Salvador.

Mas, nas redes sociais, tocaram sinos a rebate e vociferantes hordas de comentadores lusitanos atiraram-se ao inimigo castelhano, lembrando a falta de bons ventos ou bons casamentos vindos do lado de lá e a dor de coto que os nossos vizinhos sentem pelas muitas Aljubarrota onde lhes malhamos forte e feio.

Mesmo alertados por algumas almas, caridosas e esclarecidas, para a ironia e para o profundo elogio contido no texto, a coisa continuou e, por vezes, escalou para o insulto aos corretores, esses “traidores da pátria” a defenderem o espanhol!

Em nada fico feliz com o que daqui podemos concluir:

Que poucos realmente leem até ao fim antes de comentarem ou partilharem tópicos online.

Que são ainda muito menos os que têm o cuidado de verificar proveniência e credibilidade do que se publica por aí.

Que uma boa parte executa a sua arte de criticar tudo e todos, aproveitando para espancar violentamente a gramática portuguesa.

Resumindo, que escárnio e maldizer virou desporto coletivo por estas bandas, fazendo dos teclados uma espada sempre em busca de sangue.

Ora quero crer que “Amar pelos Dois” e os manos Sobral mereciam que, pelo menos, não despendêssemos tanto tempo a “Odiar Muitos”, a “Odiar por Tudo e por Nada”.

Se a inveja nos mata, vamos lá acreditar que o Amor nos liberta.

Nem que seja nessa canção perfeita.

4 Comments

  1. Mario Aguiar says:

    Raciocínio lógico e bem desenvolvido!!

  2. Caro Joaquim Amândio Santos,
    Mais uma vez aproveito para parabenizá-lo pelo seu artigo de opinião. Contudo, o enlevo por uma qualquer coisa não deve toldar o discernimento e o juízo crítico. A composição levada pela dupla Sobral ao concurso Festival da Eurovisão é em termos de composição musical, muito simples. Devo dizer-lhe que já lá foi trabalho lusitano melhor e que ficou mais mal classificado. O Festival da Eurovisão decresceu muito de qualidade ao longo das décadas, e aquilo que é uma composição musicalmente razoável e agradável ao ouvido, sobressai justamente dentre aquilo que é manifestamente medíocre. O mesmo se passa com muitos outros grupos e bandas musicais que por aí existem. Lamento contrariá-lo, e espero que não se sinta entristecido pelo meu comentário. Remato que a bela mensagem e a singela composição da Sra. Luísa Sobral, e interpretada pelo seu irmão, Salvador Sobral, mereceu ser agraciada com o troféu Festival da Eurovisão de 2017. Serve o propósito deste comentário o de encorajar os artistas a excederem-se e a melhorarem as suas composições futuras, sem perder contudo, a capacidade de análise da peça musical. Todo o bom e competente artista compreende a relevância da reflexão crítica sobre o seu próprio trabalho.

    • J. Amândio Santos says:

      Prezado Rodrigo, agradeço profundamente o seu comentário e felicito-o pela pertinência que dele exala.
      A simplicidade da canção é um dos seus pontos fortes.
      A referência que faz a outros artistas com tanta ou mais qualidade no panorama musical é uma verdade saliente.
      Felizmente assim é.
      O panorama musical português teve, tem e terá muitos bons exemplos de excelsa qualidade.
      Também concordo quando diz que em edições passadas canções nacionais de grande valia foram pouco votadas.
      Aliás isso ainda torna mais espantoso que este ano uma canção tão bela quanto simples tivesse alcançado o triunfo.
      São as sortes que por vezes alteram o destino.
      Um forte abraço!

  3. Marisa Oliveira says:

    Felicito pelo tema da sua crónica de hoje. Muitos parabéns!!!
    Como sempre escolheu bem o tema, escreveu muito melhor.
    Os irmãos Sobral merecem…

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*