BPI avança com programa para a saída de cerca de 400 trabalhadores

Posted by

 

O BPI vai avançar com um processo de saídas de cerca de 400 trabalhadores, oferecendo o banco 2,5 salários por cada ano de trabalho a quem aceite sair por rescisão amigável, mas sem acesso a subsídio de desemprego, segundo informação sindical.

Segundo a nota que consta no portal na Internet da federação dos sindicatos dos bancários ligados à UGT (Febase), no final de abril, em reunião com os dirigentes sindicais, a administração do BPI comunicou que “pretendia reduzir o número de efetivos através de um programa de reformas antecipadas e rescisões por mútuo acordo”.

Segundo disse à Lusa fonte sindical, a administração estima que neste processo saiam cerca de 400 pessoas.

No caso das rescisões por mútuo acordo, diz a informação disponível na Internet, o BPI propõe uma indemnização de 2,5 meses por ano de trabalho, acima do previsto na lei.

Contudo, alerta, “porque o BPI não é uma empresa em reestruturação, os trabalhadores que aceitarem a rescisão de contrato não terão direito ao subsídio de desemprego”, ainda que mantenham acesso ao sub-sistema de saúde SAMS e condições benéficas nos créditos que tenham com o banco.

Os trabalhadores com idade inferior ou igual a 55 anos podem aderir às rescisões até 02 de junho.

Já para as reformas antecipadas, o programa é destinado a quem tenha entre 55 e 65 anos.

Já era conhecido que o BPI, desde o início deste ano controlado pelo espanhol Caixabank, ia avançar com mais saídas de trabalhadores, reforçando a diminuição do quadro de pessoal que já aconteceu nos últimos anos.

No prospeto da Oferta Pública de Aquisição (OPA) sobre o BPI, o CaixaBank previa conseguir sinergias em três anos no valor de 120 milhões de euros, estimando que 35 milhões de euros sejam conseguidos com crescimento de receitas e 85 milhões com poupança de custos, parte importante com redução de 900 efetivos em três anos.

Já em abril, questionado sobre este tema, o futuro presidente executivo do BPI, o espanhol Pablo Forero, admitiu que o banco tinha agora mais dinheiro para promover saídas.

O banco ainda tem formalmente como presidente executivo Fernando Ulrich, enquanto a nova equipa de gestão liderada por Forero aguarda a autorização do Banco Central Europeu (BCE).

 

One Comment

  1. Zé da Gândara says:

    E não tardará que o tuga cliente da dita banca tenha de pagar através da subida das comissões (ou comichões, whatever) a generosidade dos recém-chegados Éspénishes para com os trabalhadores tugas atirados pela janela fora 🙂 Faltou quiçá abordar isto no brilhante documento jornailístico 🙂

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*