Concentração da professores é “a primeira de várias ações”

Posted by

Foto Luís Carregã

A concentração de professores prevista para amanhã em Lisboa pretende ser “a primeira de várias ações” para reivindicar a resolução de problemas dos docentes, disse à Lusa o secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira, que admite convocar uma greve.

Segundo o dirigente sindical da Federação Nacional dos Professores (Fenprof, será realizado no 3.º período do ano letivo um debate “de forma mais organizada” com os docentes, estando em cima da mesa a possibilidade do “recurso à greve e a uma grande manifestação”.

A Fenprof convocou uma concentração na terça-feira, às 15H00, junto ao Ministério da Educação, em Lisboa, seguindo depois para São Bento, com uma faixa de 550 metros que dá “rosto” às várias reivindicações dos docentes.

A faixa de 550 metros conta com mais de mil fotografias de professores a segurarem um papel, onde está inscrita uma reivindicação específica.

Nessas fotografias, pode ler-se “Gestão democrática para as escolas”, “Horários adequados e menos alunos por turma”, “Direito à progressão”, “Nem reuniões, nem papéis” ou “Contratados não são descartáveis”, entre outras reivindicações.

A Fenprof, recordou Mário Nogueira, exige ao Governo um compromisso em relação a matérias como a regularização dos horários de trabalho e das aposentações, a garantia do descongelamento das carreiras dos professores em 2018 e a criação de novos momentos de vinculação extraordinária de docentes nos próximos dois anos.

A federação sindical pretende ainda combater a municipalização do ensino e garantir uma gestão das escolas mais democrática, frisou.

“Propusemos que nos sentássemos e que o compromisso integrasse e considerasse o faseamento na resolução de alguns problemas, que são complexos e têm custos”, sublinhou Mário Nogueira, frisando que o que não pode acontecer “é não haver resposta e os problemas não terem uma solução à vista”.

O secretário-geral da Fenprof afirmou que o ministro da Educação, na reunião de 05 de abril, disse que as reivindicações dos professores “ultrapassavam a competência exclusiva do ministério” e que a solução “dependerá do Governo na sua globalidade”.

Face a essa resposta, a federação sindical decidiu fazer a concentração no Ministério da Educação, mas depois passar também pela residência oficial do primeiro-ministro, a quem já foi pedida uma reunião para o próprio dia.

Dessa forma, os professores vão envergar a faixa de 550 metros entre o Ministério da Educação e São Bento, passando também pela Assembleia da República durante o “desfile”.

De acordo com Mário Nogueira, o primeiro ano do executivo socialista, apoiado pela esquerda parlamentar, foi “um ano de sinais importantíssimos”, em que o Governo tomou medidas que acabaram com “algumas zonas de conflito”.

Essas primeiras medidas “eram de limpeza de conflito, mas sem grande custo. Quando começou a ser exigido outro tipo de investimento, as coisas aí começam a parar”, notou o dirigente sindical, considerando que a expectativa inicial “está a começar a ficar frustrada” e a “indignação começa a surgir nas pessoas”.

A Fenprof espera ter entre 1.500 a 2.000 professores na concentração e desfile marcados para amanhã.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*