Opinião: Tantos meios para comunicar, tão mudos que somos

Posted by

Joaquim Amândio Santos

Em 2021 existirão em todo o mundo 5,5 mil milhões de telemóveis, um número superior ao que se prevê para as ligações de água canalizada ( 5,3 mil milhões) ou de contas bancárias ( 5,4 mil milhões).

Nos próximos quatro anos, o número de dispositivos móveis crescerá tanto que deverá atingir 1,5 equipamentos por habitante deste planeta, se aos telemóveis juntarmos as comunicações máquina-a-máquina, que farão disparar o número para 12 mil milhões.

Se a estes dados estatísticos adicionarmos o facto de uma parte pequena, mas significativa, da população humana viver ainda sem acesso a essas tecnologias, transforma o chamado mundo evoluído numa amálgama de seres vivos agarrados compulsivamente aos seus aparelhos de comunicação.

Comunicação ou barreira comunicativa?

Facilidade tecnológica para nos ajudar no dia-a-dia ou instrumento de aceleração do ritmo já frenético e, como tal escravizante do nosso bem estar?

Instala-se, cada vez mais, uma mudez social na interação direta entre as pessoas.
Se não vejamos.

Do reino da conversa face a face ou da longa chamada telefónica, passamos cada vez mais ao inócuo, insosso e frio ato da mensagem escrita e, mesmo esta, pateticamente reduzida, na maior parte das vezes, a um conjunto de bonecos ou de abreviaturas assassinas das palavras, causando mais estragos ao domínio da língua que qualquer patético acordo ortográfico!

Do ruído inerente a animadas conversas em cafés e restaurantes, passamos agora a uma crescente importância do sussurro sonoro proveniente dos dedos a passear pelos monitores, com mesas inteiras a ignorarem-se olimpicamente, uma mão no garfo que leva comida à boca, dois olhos e a mão restante numa amena cavaqueira silenciosa com o ecrã por onde deslizam as vidas alheias expostas nas redes sociais.

Das horas e horas que deliciosamente despendíamos com tertúlias acesas, sobre os mais diversos temas, passamos agora a essa relação osmótica com o ecrã de uma máquina, que nos reduz, em boa parte das vezes, ao triste fingimento de que estamos a interagir socialmente, convivendo, quando mais não fazemos do que nos esconder por detrás do muro da distância que a tecnologia nos proporciona.

Dos concertos a que assistíamos, dos eventos desportivos com que vibrávamos, passamos agora a “registadores” de imagens dos mesmos, esquecendo a emoção direta do momento em que participamos, em prol da necessidade de registar o acontecimento para uma qualquer posteridade e aplauso alheio, mal coloquemos a foto ou o vídeo na rede.

Já não interessa estarmos lá, passa a interessar que saibam que lá estivemos.

Incluo-me, obviamente, entre os que, ao longo da vida, se viram mergulhados neste mar imenso da tecnologia e da sua utilização incontornável. Por isso mesmo, por com ela viver e dela precisar, não me deixo anestesiar pelas suas muitas virtudes e utilidades, percebendo cada vez mais o bem que faz e o bem que sabe colocar na vida cada vez mais minutos (já são horas) diários erguidos após aquele delicioso pressionar do botão para desligar os aparelhos.

A melhor tecnologia cruzada que possuímos inclui no pacote as nossas cordas vocais, as narinas, os olhos e esse conjunto de células a que damos o nome de cérebro.

Não estão à venda em lojas e jamais ficarão desatualizados se lhe dermos o devido uso. Eu tento.

13 Comments

  1. Andreia Matos says:

    Boa tarde,

    Fico maravilhada ao ler a sua coluna de opinião, uma escrita fantástica e cativante.

  2. Carla Cristina Rocha says:

    Como sempre amei!!!
    "Tantos meios para comunicar e tão mudos que somos" mesmo!!!-
    Maravilhosa descrição dos nossos dias… já ninguém conversa entre si, raras são as reuniões de família, amigos em que os telemóveis ficam guardados num local à parte…e todos registamos os momentos e queremos sim partilhar com o mundo… sábio é o meu filhote de 10 anos que durante um momento em que estávamos juntos e eu queria registar com foto, mesmo… ele me diz "mãe, regista o momento para ti, dentro de ti os outros não precisam ver…" e eu lá cedi mas, sinceramente… contrariada!!
    Grata por mais uma fantástica crónica. Parabéns!

  3. Fernando Moreira says:

    Belo texto. Reflecte toda a verdade…

  4. Fernando Moreira says:

    Convém não descuidar a conversa entre todos! Abraço.

  5. José Luís Bacelar says:

    Plenamente de acordo, a crescente utilização da tecnologia está a levar a menos comunicação entre as pessoas.. mais tristeza, mais depressões, mais doenças, muito menos felicidade… Assistimos a um desequilibro social crescente, sem regras e sem valores…

  6. Vitor Santos says:

    Realmente é de reflectir. Mas a exemplo de tudo a tecnologia que invadiu e invade a casa de cada um de nós, acaba sempre por cada um de nós dar-lhe a devida e justa importância, digo eu…

  7. Carlos H. Soares says:

    Excelente crónica.

  8. Uma verdade absoluta!

  9. Muito bom! Gostei!
    Boa semana.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*