Opinião – Felicidade e cidadania

Posted by
Rui Brites

Rui Brites

O conceito de cidadania, que remonta à polis grega, remete tanto para a normatividade como para a participação política e social. Associado aos debates sobre a emergência acentuada do individualismo nas sociedades democráticas, assume particular importância perceber quais os valores de cidadania a que os cidadãos dão predominância.
Nos dados recolhidos pelo Inquérito Social Europeu , sobre o que é que os europeus consideram ser importante para se ser um bom cidadão, os portugueses consideraram muito importante, por esta ordem:
1º “Ter opinião própria independentemente da opinião dos outros” ( 85,2%);
2º “Ajudar os que estão em pior situação” ( 85,1%)
3º “Obedecer a todas as leis e regulamentos” ( 70,9%);
4º “Votar sempre nas eleições” ( 64,5%);
5º “Trabalhar em organizações de voluntariado“ ( 53,2%);
6º “Ser uma pessoa politicamente activa” ( 38,1%).
O padrão de resposta aos seis indicadores é idêntico em todos os países e o Índice sintético de cidadania, que agrega a resposta conjunta aos seis indicadores, coloca Portugal entre os países europeus com pontuações mais elevadas, registando a Espanha, a Bélgica e a República Checa, as mais baixas.
Entre nós, é na região Centro que se regista o valor mais elevado e no Algarve, o mais baixo. Os mais velhos, homens e mulheres, com mais de 50 anos são, também, os que apresentam valores mais elevados do índice de cidadania.
Portugal está entre os países europeus que mais concordam que os “cidadãos deviam ocupar pelo menos algum do seu tempo livre a ajudar os outros” ( 86,4%) . Não obstante, os portugueses são os que mais dizem que “não ajudaram ninguém nos últimos seis meses” ( 61,5%) . Ou seja, invocando o célebre aforismo: “bem prega Frei Tomás: faz o que eu digo, não faças o que eu faço!”. É em Lisboa e Vale do Tejo que a colaboração com organizações de voluntariado e de caridade é mais elevada, no entanto, quando se trata de ajudar activamente alguém, são os algarvios que mais dizem que o fazem regularmente ( 31,7%).
É interessante verificar a relação entre a importância atribuída aos valores de cidadania e a felicidade:

Como evidencia a figura, Portugal situa-se no quadrante “+Cidadania e – Felicidade”, acompanhado pela Itália, Grécia e Polónia. No quadrante dos países “mais felizes” e que dão mais “importância à cidadania”, encontram-se os países escandinavos e o Luxemburgo.
Como vimos nas crónicas anteriores, os países escandinavos, para além de registarem os valores mais elevados de felicidade, são também mais confiantes e mais optimistas.
Sejam felizes, busquem a vossa felicidade.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*