Eu deputado – O desencontro das esquerdas

Posted by

NUNO ENCARNAÇÃO

Nuno Encarnação

Na passada semana assistimos a um encontro na Aula Magna em Lisboa que pretendia unir as esquerdas sobre a cátedra do Dr. Mário Soares. Cedo percebemos que o encontro mais servia para as esquerdas prestarem uma homenagem a este reputado Político Nacional do que encontrar convergências políticas.

Um encontro de uma geração que não arrastou as gerações mais novas. Esta Troika de esquerdas (PS, PCP e BE) não arrastou juventude, não apontou ideias, não falou em soluções e mais preocupante do que isso, não se uniu!

O PCP relembrou a este PS o memorando que escreveu, negociou e assinou que obrigou Portugal a tamanho esforço. O Bloco de Esquerda disse a este mesmo PS que o referido memorando deveria ser rasgado como condição base de qualquer entendimento.

O Dr. Soares exigiu que se acabasse de vez com a austeridade, exatamente o contrário do que defendeu da última vez que acolhemos cá o FMI quando este era Primeiro Ministro. Como é que o Dr. Seguro poderia em consciência estar num encontro destes?

Fez o que podia fazer, “gazetou” a tal aula, por mais magna que fosse. A desunião das esquerdas é notória.

O Dr. Seguro é um homem só num labirinto onde ainda não vislumbrou a saída.

Quando a direita (PSD e CDS) pede a convergência à esquerda (PS), esta foge.

E foge mais para a sua esquerda onde a mesma é rejeitada e não é acarinhada nem bem-vinda.

Enquanto o Dr. Seguro joga ao gato e ao rato o País pede que haja entendimentos.

O País já percebeu que entendimentos à esquerda são uma perfeita miragem. O Dr. Seguro a prazo perceberá seguramente o mesmo!

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.