Politécnico de Castelo Branco lança livros sobre ruminantes da Beira Baixa

Posted by

INSTITUTO POLITECNICO DE CASTELO BRANCO IPCB CASTELO BRANCO DRO Instituto Politécnico de Castelo Branco (IPCB) vai lançar três livros sobre raças de pequenos ruminantes da Beira Baixa e apontar quais os produtos agrícolas em que melhor podem ser rentabilizados.

As publicações vão ser lançadas no sábado, durante a abertura da III Feira Agro-Agrária, certame que vai decorrer no recinto da Escola Superior Agrária até dia 16.

As três obras são da autoria do docente e investigador Carlos Andrade e cada uma é dedicada a uma espécie diferente: a cabra Charnequeira Beiroa, a ovelha Merino da Beira Baixa e a ovelha Churra do Campo.

Os estudos nasceram para preservar o património genético das três raças de pequenos ruminantes com origem na Beira Baixa, mas conseguiram reunir mais conclusões.

No caso, a cabra Charnequeira Beiroa é apontada como uma espécie com futuro porque produz leite que “pode ser consumido natural ou transformado em diversos produtos catalogados como dietéticos”, o que lhe dá acesso “a um mercado mais variado e abrangente que o de leite de ovelha”, refere o autor.

O leite daquela espécie de cabra pode ser usado “no fabrico do Queijo à Cabreira de Castelo Branco” e a carne pode ser servida como “Cabrito da Beira” – um produto de “Indicação Geográfica de Proveniência (IGP) indexado a cabritos das raças Charnequeira e Serrana abatidos entre os 40 e 45 dias”, refere.

Já quanto à ovelha Merino da Beira Baixa, Carlos Andrade recomenda a utilização em terrenos “mais extensivos e pobres, como opção de ocupação de áreas que não são próprias para culturas de rendimento e onde as raças exóticas não são capazes de sobreviver por não estarem adaptadas ao pastoreio de percurso”.

O leite pode dar origem a alguns dos mais famosos queijos da Beira Baixa, como o amanteigado de Castelo Branco, e a carne dá origem a receitas de “Borrego da Beira”.

Um terceiro livro é dedicado à raça ovina Churra do Campo, dada como extinta em 2004 e recuperada a partir de 2007 pela Câmara de Penamacor em colaboração com o IPCB.

 

(Texto: Agência Lusa)

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.