Opinião – Burocracia privada

Posted by

Maria Manuel Leitão Marques

Maria Manuel Leitão Marques

Muitas vezes queixamo-nos da burocracia dos serviços públicos. E bem, devemos ser os principais instigadores da sua simplificação . Somos bem mais complacentes com o setor privado. Não devíamos .

O setor privado tem condições para ser exemplar, mais recursos e maior flexiblidade para ser inovador . Mas nem sempre o é. Na semana passada pedi ao banco de que sou cliente há muito anos um cartão de crédito que acumulasse pontos convertíveis em milhas, melhor dizendo em viagens!

Coisa simples considerando que o meu atual cartão já é emitido pelo referido banco. Parecia, mas na verdade não era. Foi-me pedido para o efeito um recibo da água ou semelhante a para comprovar a morada, essa mesmo com a qual o banco comunica comigo todos os meses, e um recibo de vencimento, para comprovar a profissão, apesar de o meu salário ser depositado nessa mesma conta. Tudo no devido suporte de papel.

Perante o meu protesto por tanta redundância, o argumento que a minha Universidade já não emite recibos de vencimento em papel há muito tempo e que a morada pode ser lida no meu cartão de cidadão, a resposta foi típica de uma organização pública, o chamado “chutar para cima”. A culpa seria do Banco de Portugal. Desculpa estúpida porque se a intenção é controlar a atribuição dos cartões de crédito em função do rendimento e desse modo controlar o endividamento, intenção muito louvável, a informação solicitada já lá estava disponível.

Espantoso aliás que o Banco de Portugal, que sempre primou pela ausência nesta matéria, deixando crescer sem controlo o crédito ao consumo e a habitação, quando o devia ter controlado e evitado o sobreendividamento das famílias, venha agora, depois da “casa roubada “, com este tipo de controlo burocrático cego num momento em que o crédito já está por natureza limitado. Tratando-se de substituir um cartão por outro, aliás, pago todos os meses por débito em conta, nem sequer um maior potencial de crédito seria concedido.

Enfim, serve este exemplo entre outros por aí à solta para mostrar a importância de uma cultura de simplificação, não apenas nas organizações públicas, mas também nas privadas. Para além delas, essa cultura deve ser de todos nós, vigilantes contra redundâncias e ineficiências que finalmente somos todos nós que pagaremos.

2 Comments

  1. teresa Pereira says:

    Sempre Interventiva, e muito bem!!!
    Que nunca a voz lhe Doa…
    Eu partilho da sua opinião e não abdico de o fazer sempre!!!
    T.Pereira

  2. José Fangueiro says:

    Estes procedimentos burocráticos estão na génese da nossa impreparação do relacionamento com o público. É o refúgio da nossa incompetência.
    Sector público ou privado (então a Banca) todos usam, sem inteligência e a despropósito, estes métodos que ferem a lógica do racíocinio de qualquer ser racional. Lidei muito com estas situações. Houve momentos desesperantes. Alguma coisa já mudou, mas lutemos pessoas de bom senso, nunca sejamos indiferentes a esta praga.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.