Médicos aprovam novos critérios que facilitam colheita de órgãos

Posted by

30 transporte órgãosA Ordem dos Médicos aprovou os critérios que permitem avançar para uma lei que preveja a doação de órgãos em dadores que tiveram uma paragem cardiorrespiratória, o que poderá ajudar a aumentar o número de transplantes em Portugal.

Um documento oficial da Ordem lembra que o número de órgãos colhidos em doentes em morte cerebral é insuficiente “para as necessidades crescentes de candidatos a transplante”.

A Ordem dos Médicos definiu critérios para ajudar a regular a doação de órgãos, alargando a colheita a dadores de coração parado.

Esta definição tinha sido solicitada à Ordem dos Médicos pela antiga Autoridade para os Serviços de Sangue e da Transplantação, que já considerava que o número de órgãos disponíveis para transplante poderia aumentar significativamente se fossem colhidos logo após a paragem cardiorrespiratória (PCR).

Em Portugal, vai optar-se por colher órgãos de dadores em coração parado para transplantes em duas situações: vítimas de acidente ou de PCR encontradas mortas no local pela equipa de ressuscitação; e dadores que tiveram morte cardíaca súbita ou que apresentem lesões cerebrais catastróficas seguidas de paragem cardiorrespiratória quando as manobras de ressuscitação não tiveram sucesso.

 

Ver versão completa na edição impressa

 

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.