Opinião – Os ratinhos da Índia

Posted by

Santana-Maia LeonardoSantana-Maia Leonardo

Uma política educativa assente em teorias pedagógicas mal testadas e decorrentes de uma crença totalmente infundada no mito do “bom selvagem” de Rousseau permitiu que a escola fosse tomada de assalto por bandos de rufias que, por ausência de autoridade, acabaram por tomar o poder de facto, na medida em que são os únicos que podem usar a força para impor a sua lei.

Com efeito, só eles têm autoridade para bater, esmurrar, esfaquear ou pontapear quem quer que seja: professor, funcionário ou aluno. E se algum aluno, na sua ingenuidade, tentar encontrar protecção num professor ou num funcionário rapidamente aprende quão frágil e ilusório é o poder destes.

A maioria dos pais e dos professores hodiernos pertence a uma geração que idolatrava o aluno insolente, baldas e marginal e desprezava o aluno aplicado, trabalhador, cumpridor e educado. E esse fraquinho revolucionário e romântico pelo aluno rebelde contribuiu decisivamente não só para o decréscimo da qualidade do ensino como também para o aumento da indisciplina e da violência nas escolas.

Mas há uma coisa que as pessoas têm de perceber: a escola não pode ser nem uma casa de correcção, nem uma prisão. E para se pertencer à comunidade escolar (ou a qualquer outra), uma pessoa tem de aceitar e de se sujeitar às regras de funcionamento da própria comunidade, sob pena de esta se desmembrar. Os alunos que aceitam as regras intuitivas (digo intuitivas porque considero uma aberração intelectual, ética e moral os actuais compêndios chamados regulamentos internos) da disciplina escolar, onde se incluem, obviamente todos aqueles que têm comportamentos próprios da irreverência da idade, não podem ser vítimas, nem os ratinhos da Índia, de experiências pedagógicas de resultado duvidoso ou de programas de ressocialização de delinquentes. Acresce que é fundamental que a escola proteja os alunos que aceitam as regras da comunidade, porque, só assim, eles aprenderão a confiar nas instituições.

Quanto aos restantes, os pais que os aturem ou o Estado que arranje escolas especiais para os domar. A não ser que queiramos educar os nossos alunos para uma vida numa sociedade dominada e controlada por traficantes de droga, máfias e “gangs”. Se assim for, o modelo que, infelizmente, já está implantado em muitas das nossas escolas, é o ideal, na medida em que reproduz com fidelidade esse modelo de sociedade.

One Comment

  1. Concordo plenamente, Sou do tempo em que o professor era o segundo(senão o primeiro) educador dos jovens. Não era raro os próprios pais pedirem e agradecer alguns corretivos (não uma sova) que os professores aplicavam, Havia respeito pelos professores e pelos pais, uma coisa que não acontece nesta época em que os pais têm medo dos filhos e por pensarem que ganham o respeito dos filhos vão para a escolas reclamar e agredir os professores, não se lembrando que assim dão mais força aos queridos rebentos. Todos os alunos que dão mau hambiente nas escolas deviam ir para escolas especiais ,não tipo tituria como havia antigamente mas escolas tipo colégios militares onde imperasse a ordem e obediência aos professores.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*