Opinião – Desencontro muito perigoso

Posted by

01 NORBERTO PIRES

J. Norberto Pires

Há uma coisa de que tenho a certeza absoluta. Se o Estado não é Social, então não é Estado nem serve para nada. Há nisto tudo o que anda a fazer e a dizer toda a classe política, dentro e fora do país, uma ideia de falência da política como serviço público e uma forma de mudar o mundo.

Fica evidente, perante a falta de consistência do discurso e da acção política, perante os sucessivos e descarados enganos, perante a forma displicente como se encara o debate e o envolvimento da população, que esta crise é muito profunda e mudará radicalmente a forma como nos organizamos e decidimos o nosso futuro colectivo. Nada voltará a ser como dantes: acabou o tempo!

A crise de valores que nos assola a todos e que coloca o foco nos aspectos meramente financeiros, desrespeitando a dignidade inerente à condição humana, está conduzir a situações crescentes de carência e dependência muito evidentes. Impressiona-me muito a forma como esta realidade é encarada. Em qualquer outra altura, onde imperasse a sanidade política e o primeiro objetivo fosse o bem-estar das populações, isso faria soar todas as campainhas e haveria uma resposta de emergência. Porque, de facto, o que interessa são as pessoas e o objetivo da política é a dignidade da pessoa humana e o bem público (comum).

O desencontro é bem evidente um pouco por toda a europa. A acção política não tem uma agenda civilizacional e de desenvolvimento, mas é meramente circunstancial e regulada por interesses mesquinhos de curtíssimo prazo. Não tem objectivos de médio e longo prazo, não afirma a vontade de continuar a lutar pela liberdade concreta, pela igualdade e não coloca o foco na dignidade de vida das pessoas. Não se vê nos agentes políticos a vontade assumida de querer construir o país, a europa e o mundo que se deseja: aliás, é até muito difícil perceber se eles desejam alguma coisa com dimensão civilizacional, tal é a inconsistência e ligeireza do discurso político. É tudo meramente financeiro, como se esses instrumentos que inventamos, mesmo sendo muito importantes, fossem o essencial e pudessem estar, em alguma circunstância, à frente das pessoas e do seu bem-estar.

Assistimos a atitudes de desrespeito pela dignidade de povos e países seculares, e ficamos indiferentes. Assistimos a atropelos à liberdade e à democracia, colocando o foco no desempenho financeiro, e ignoramos, pensando que estão a acontecer longe de nós e, portanto, nada nos afetam. Vemos a miséria social, agora bem perto de nós, já em nossa casa, com casos muito impressionantes de desespero levado ao limite, e não queremos acreditar como foi e é possível.

Fica no ar uma ideia de falência e impotência que é muito perigosa. É nestas alturas de desnorte e de menor clarividência que se perde a cabeça e se fazem coisas sem sentido, apresentadas como soluções de ultimo recurso, mas que depois percebemos que são enganos e levam gerações, muitas vidas e muitos sonhos a resolver. É nestas alturas que todos são avaliados da mesma forma, por atacado e sem o necessário discernimento. Acaba por ser inevitável, e é por isso que é muito perigoso. É a altura de falar, falar muito. E essa é a nossa melhor defesa.

Esconder, ficar por meias-verdades e evitar o debate não é eficaz e vai conduzir a um beco-sem-saída.

 

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.