Opinião – Camarinhocracia

Posted by

PAULO-VALERIOPaulo Valério

Nos próximos tempos, seremos chamados a escolher. Nas autárquicas, entre Machado e Barbosa de Melo. No PS, entre Costa e Seguro. Em legislativas, talvez, entre um destes últimos e Passos Coelho. Escolheremos, pois, como sempre, para, no dia seguinte, seja qual for o resultado, voltarmos ao desalento do costume. Há décadas que é assim, primária e imatura, a nossa relação com a democracia.

O eleitor português está para a democracia, como o Zé Zé Camarinha está para as inglesas de Albufeira. Vivemos uma espécie de “Camarinhocracia”. Tudo se resume a meter, o mais depressa possível, o voto dentro da urna. Depois, a insatisfação e ansiedade próprias de quem não tem qualquer capacidade para lidar com um verdadeiro compromisso.

Em geral, quando escolhemos, tendemos a achar que o nosso candidato, consumada a eleição, acorda penteado, sem olheiras e a cheirar a sensodyne. Ou por outra, não queremos saber disso para nada. No fundo, esperamos que não nos incomode durante, pelo menos, uns quatro anos, altura em que talvez nos disponhamos a voltar a introduzir o dito cujo, na urna.

Talvez o Zé Zé Camarinha pudesse ser hoje um pacato chefe de família, com um rancho de miúdos loiros a puxar-lhe as calças, à sombra de uma alfarrobeira. E talvez todos nós pudéssemos hoje conviver melhor com a política, com o país e connosco próprios, se tivéssemos sabido manter com a democracia uma relação adulta, comprometida e, porque não dizê-lo, apaixonada.

Assim, vai-nos calhando quem, na verdade, tem pouco mais do que umas cambalhotas na areia para oferecer.

Ao fim de 38 anos, a adolescência democrática de Portugal ultrapassou todos os limites. É preciso construir uma relação madura com a política, participando, de facto, e resistindo a escolher candidatos em função de instintos básicos. Neste contexto, gosto de acreditar que Portugal é um jovem trintão vivido, mas de bons costumes, ainda a tempo de encontrar uma democracia educada e carinhosa, disponível para relacionamento sério.

 

One Comment

  1. Pingback: Camarinhocracia

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.