Opinião – A Júlio o que é de César

Posted by

GONÇALO CAPITÃOGonçalo Capitão

Durante muitos dias não soube como abordar a demissão de Paulo Júlio do cargo de Secretário de Estado para a Reforma Administra e, em alternativa, fui lendo o muito que se escreveu.

Tratando-se de um amigo e de um dos mais inteligentes e competentes políticos da minha safra, creio que o tempo de meditação me permite ter uma opinião mais objectiva sobre aquilo que reputo de uma perda de monta para o Governo e para os portugueses.

Antes do articulado justificativo, atalho eventuais tentações de “malandrices de algibeira” a respeito da minha opinião: entendo que qualquer ilegalidade comprovada e transitada em julgado deve ser punida, que mais não seja, em homenagem ao órgão de soberania que é corporizado nos tribunais.

Dito isto, tal não significa que concorde necessariamente com as leis. Venho, aliás, escrevendo e dizendo que me parece que têm sido feitas demasiadas cedências legislativas no sentido da menorização dos agentes políticos; de tal modo que, hoje em dia, podemos concordar que só aceitará o ónus de o ser quem seja dependente da vida partidária ou pessoas com extrema e genuína dedicação à causa pública, dado o constante escrutínio e até enxovalho e o facto de haver salários bem mais tentadores na iniciativa privada, que não impõe o mesmo grau de devassa, inclusive, da vida privada.

Vem isto entroncar na ideia de que muitas das escolhas para lugares dirigentes – relembro que a demissão de Paulo Júlio teve a ver com o alegado favorecimento de um primo em segundo grau num concurso da Câmara de Penela, a que, à data, presidia – são condicionados por critérios de pretensa objectividade que desprezam em absoluto a confiança política que deve existir entre eleitos e dirigentes que têm por missão concretizar um projecto político sufragado nas urnas. Dir-me-ão que as regras dos concursos visam prevenir abusos… Pois bem, mas a meu ver os abusos, a existirem, devem ser castigados, sendo errado partir de um pressuposto generalizado de desconfiança.

Contudo, o Mundo é como é e não como nós queremos que seja, e acabámos por deitar pela borda fora um talento… Mas que fique clara uma dúvida que paira inevitavelmente no ar: será mera coincidência uma notícia velha de anos vir a lume quando Paulo Júlio “pisou alguns calos” com a anunciada fusão de freguesias? Não branqueando um eventual erro passado, fica o convite à meditação.

2 Comments

  1. Leonor Lopes says:

    Penso que, realmente, o governo perdeu um talento. Conheço o Paulo Júlio há muitos anos e, mesmo ao longe, fui-me dando conta do trabalho que fez na sua/ nossa terra, sendo lamentável que "alguém" "o tenho levado" a tomar tal decisão. Acredito, no entanto, que, independentemente do local onde trabalhe, o Paulo fará a diferença.

  2. Fernando Costa says:

    As opiniões são isso mesmo, tendenciosas por "amizade" ou por "inimizade". De facto a decisão deste ex-presidente de Câmara não difere do que é comum. Num Estado de Direito as leis deveriam ser para se cumprirem, não para servirem ou serem violadas nem para permitirem abusos com "amigos" ou "inimigos", como as evidências demonstram.
    Haja CIDADANIA!

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*