“O Bairro Novo está estrangulado nos acessos”

Posted by

ANA MACHADO JA

 

| Open Player in New Window

Que razões levaram à constituição de uma associação apenas para o Bairro Novo?

Nasceu da necessidade de criar um projeto mobilizador da vontade de todos para potencializar as valências do Bairro Novo, afastando dele uma crise que é mais emocional do que real e que tolhia a criatividade. E criar, também, uma estratégia concertada para dinamizar e promover o Bairro Novo, porque quem não é visto não é lembrado.

Já tem um plano de atividades?

A direção toma posse no dia 16 de fevereiro. Já temos dois projetos, que nasceram fora da Figueira da Foz (na Holanda). A primeira coisa que pretendemos fazer é arrumar a casa, porque o Bairro Novo está estrangulado nos acessos. Sabemos que há um estudo (da Câmara da Figueira da Foz) para o trânsito. (…) Como é que se fazem projetos sem se falar com quem lá está?! As zonas pedonais mal feitas prejudicam.

A associação é a favor ou contra as zonas pedonais?

É contra o tipo de zonas pedonais que existe no Bairro Novo. Mas há já muito tempo que se ouvem vozes discordantes da forma como aquilo foi feito.

Diz que a associação não quer fazer uma intervenção política. Assim sendo, como é que vai afirmar-se como parceiro social?

Não queremos ser parceiros políticos, mas queremos ser parceiros sociais. Vamos participar, amiúde, nas reuniões de câmara e nas sessões da assembleia municipal. Queremos ser ouvidos.

Quantos sócios tem a estrutura associativa?

Neste momento, tem só os elementos dos corpos sociais, porque ainda não tomámos posse. O preço das quotas começa nos 30 euros, mas já ganhámos um associado que pagou 500 euros.

João Cardoso, presidente da Associação Comercial e Industrial da Figueira da Foz (ACIFF), lamentou o aparecimento de novas estruturas setoriais na cidade. Que comentários lhe merece?

Lamentável é que a ACIFF tivesse assistido a uma sangria de lojas no Bairro Novo e não tivesse feito nada,em termos pessoais, para perceber por que é que isso estava a acontecer, limitando-se a fazer convocatórias para as pessoas lá irem.

One Comment

  1. o presidente da aciff , não representa o comércio do bairro novo , nem o da cidade mas sim subsídios para um grupo de amigos cujo projecto bandeira era a ciclovia da Coimbra para a figueira da foz e porque não o TGV , assim a viagem era mais rápida .

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.