Ministro diz que Saúde é verdadeiro pilar de coesão social

Posted by
Paulo Macedo

Paulo Macedo

O ministro da Saúde, Paulo Macedo, realizou este sábado uma “prestação de contas” sobre a atividade do seu Ministério a militantes do PSD, reunidos em Coimbra, classificando a Saúde como um verdadeiro pilar de coesão social.

“A saúde é a área que tem maior equidade para os cidadãos, há maior equidade do que no acesso à habitação ou à educação”, disse Paulo Macedo, intervindo nas jornadas “Consolidação, Crescimento e Coesão”.

O ministro disse ainda que foi na atual época de crise que, com o atual Governo, o setor da saúde “teve o maior orçamento de sempre, mais de 9 mil milhões de euros, não só para funcionar mas também para regularizar dívidas”.

Paulo Macedo frisou, igualmente, que a consolidação de contas na Saúde “é essencial” para manter o Serviço Nacional de Saúde (SNS) e que este só é sustentável para o futuro desde que não esteja, sistematicamente, a acumular dívidas ou a deixar défices.

Notou, a esse propósito, que “todos os direitos têm custos”, sejam estes abstratos “ou muito concretos”.

Na “prestação de contas” de hoje, Paulo Macedo considerou que a Saúde “não tem falta de debate” e revelou vários números – mais de 40 milhões de consultas, 500 mil intervenções cirúrgicas ou seis milhões de urgências – que demonstram a aposta na manutenção do SNS por parte do Governo, alegou.

“Temos um SNS a funcionar com qualidade, a funcionar a atender as pessoas, com uma satisfação das pessoas significativa”, referiu Paulo Macedo.

O governante referiu ainda, entre outras medidas, a política do medicamento elaborada pelo atual Governo, que levou a uma “poupança” nos medicamentos por via dos genéricos.

“Levou a uma redução concreta do custo dos medicamentos e os portugueses, infelizmente, não tiveram muitas áreas de redução de custos, (à exceção) talvez a prestação da casa”, afirmou Paulo Macedo.

O ministro disse ainda que em 2012 a tutela reduziu “cerca de um milhão de horas extraordinárias”, defendendo que as unidades de saúde nacionais “sabem que devem tirar melhor proveito” da capacidade instalada.

“É aqui que podemos ainda rentabilizar o que o Estado já investiu”, frisou Paulo Macedo, que considerou ainda a prescrição eletrónica de medicamentos e meios complementares de diagnóstico um “passo muito significativo”, por um lado, para a prevenção de fraudes e, por outro, para a redução de custos na Saúde.

One Comment

  1. Henrique Costa says:

    Não deixa de ser hipócrita. Quando ele está a atacar mais a cidade do que o fez o Sócrates, ao cortar tanto o único investimento a sério que Lisboa faz na zona centro, eu pergunto que coesão é esta? Ele veio foi "apalpar o pulso" ao esbirros do partido que pelo vistos são do mesmo calibre dos do PS!!! Querem é um tacho dentro da gigantesca máquina do estado e como tal se alguém "pagar" vendem a sua cidade!!! Como é que esta cidade pode ser algo se só tem gente assim????

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*