Hospitais da região Centro admitem compra em conjunto de energia elétrica

Arquivo

Arquivo

Nove unidades hospitalares da região Centro formalizaram esta terça-feira, em Coimbra, a compra em conjunto de seis milhões de euros em medicamentos e admitiram adotar idêntico procedimento em relação à aquisição de energia elétrica.

O protocolo hoje assinado é o primeiro de uma série de acordos de compra agregada de medicamentos, que poderão atingir um valor global da ordem dos 300 milhões de euros por ano, disse aos jornalistas o presidente da Administração Regional de Saúde do Centro (ARSC), José Tereso.

A próxima aquisição de medicamentos em conjunto, envolvendo as unidades do Serviço Nacional de Saúde (SNS) daquela região, deverá implicar um montante de cerca de 30 milhões de euros e poderá ser formalizada em março, admitiu aquele responsável.

A assinatura do primeiro protocolo entre aquelas unidades de saúde para a compra de “seis referências de medicamentos biológicos e da área oncológica” constitui “o primeiro degrau da compra agregada de medicamentos na região Centro”, sublinhou o presidente da ARSC, entidade promotora da iniciativa.

“A ARSC apenas serve de entidade agregadora neste processo”, assegurou José Tereso, durante a sessão de formalização do protocolo, salientando que esta medida tem “vantagens para todos”.

A ARSC vai iniciar, “na próxima semana”, o “estudo com vista à compra agregada de energia elétrica”, anunciou José Tereso, adiantando que a instituição a que preside irá “avançar noutros projetos”, no mesmo sentido.

A compra agregada de medicamentos por parte das unidades de saúde é “extremamente importante”, pois permite “alguns ganhos de escala, mantendo a liberdade de prescrição, num processo com grande transparência”, sustentou, durante a mesma sessão, José Martins Nunes, presidente do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC).

O processo para a compra agregada de medicamentos na região Centro envolve os centros hospitalares Universitário de Coimbra, Baixo Vouga, Cova da Beira, Leiria-Pombal, Tondela-Viseu, Hospital Distrital da Figueira da Foz, as unidades locais de saúde de Castelo Branco e da Guarda e o IPO de Coimbra.

Por deliberação de todos os hospitais envolvidos neste projeto, o CHUC representa os agrupamentos das entidades adjudicantes que se venham a constituir, no âmbito dos procedimentos de aquisição de medicamentos.

 

Texto Agência Lusa

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*