Ex-sargento absolvido em Estarreja por tentar matar GNR

DR

DR

O tribunal de Estarreja absolveu hoje um ex-sargento do Exército, de 40 anos, que estava acusado de ter tentado matar um GNR, durante uma operação de fiscalização de trânsito.

O tribunal decidiu condenar o arguido a dois anos e três meses de prisão, com pena suspensa, pelos crimes de condução de veículo em estado de embriaguez, detenção de arma proibida e uso e porte de arma sob o efeito de álcool.

O arguido, que ficou inibido de conduzir por oito meses, foi ainda absolvido de um crime de falsidade de declaração.

Os factos remontam a abril de 2011, quando o homem foi apanhado a conduzir embriagado um automóvel ligeiro de passageiros, em Avanca, Estarreja.

Após a realização do teste de alcoolemia, o condutor acusou uma taxa de 2,07 gramas por litro de álcool no sangue.

Segundo a acusação, o arguido foi buscar um revólver que tinha no veículo, apontando-o ao peito de um dos militares e premindo o gatilho.

Apesar de a arma estar municiada, não foi feito qualquer disparo, já que a câmara do tambor estava vazia.

O Ministério Público considera que o arguido previu e sabia ser possível vir a efetuar o disparo de um projétil contra o ofendido, atingindo-o em órgãos vitais e causando a sua morte, o que só não ocorreu por “mero acaso”.

“O arguido sabia que a arma estava municiada com cinco munições e que uma das câmaras do tambor se encontrava livre, mas não tinha a certeza de que era esta câmara que estaria na posição de percussão, ao premir o gatilho, nem podia ter pois não verificou a posição da mesma antes de o premir”, lê-se na acusação.

Durante buscas realizadas posteriormente à casa do arguido, as autoridades vieram ainda a apreender uma arma de alarme alterada.

 

2 Comments

  1. Alguem joga à roleta russa, a vida de outra pessoa,neste caso um agente da autoridade, so nao o atingiu porque este teve uma sorte do caraças, e" apanha" pena suspensa…ha aqui um erro em qualquer lado. Decerto se tivesse atingido o GNR até levaria um louvor.

  2. em que é que ficamos?absolvição ou condenação???

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.