Opinião – Saber pensar

Posted by

Fernando-BoavidaFernando P.L. Boavida Fernandes

Escrever sobre os perigos da Internet seria, no mínimo, déjà vu, redundante, desnecessário. O mesmo aconteceria se falámos dos seus benefícios e malefícios, amplamente debatidos, quase gastos de tanto andarem nas bocas do mundo. Na realidade, a Internet é, cada vez mais, implícita e invisível, tão subjacente que está a praticamente tudo o que fazemos. Talvez por isso, ao contrário do que se pensa, não tenha efeitos para além de trazer à luz as qualidades e defeitos que as pessoas, essas sim, têm.

Mais do que um fenómeno tecnológico, a Internet é um fenómeno social, bastante semelhante, salvaguardadas as proporções, a outras tecnologias e fenómenos relacionados com a comunicação, como sejam a imprensa escrita, a rádio, o telefone, o cinema ou a televisão, que, quando apareceram, revolucionaram o mundo.

Que me perdoem sociólogos e antropólogos por meter foice em seara alheia (prometo, em troca, perdoar-lhes a eles quando falarem de tecnologias), mas sou de opinião de que os tão alardeados perigos e vícios imputados à Internet resultam, afinal, da natureza humana e já caracterizavam os primeiros Homo Sapiens, se não mesmo outros hominídeos que os antecederam.

Mas falamos, afinal, de que vícios? Do ardil? Da mentira? Da inveja? Da ganância? Do egoísmo? Da vaidade? Da luxúria? Não vou aqui reeditar os sete pecados capitais, obra já escrita por S. Tomás de Aquino no século XIII, e muito menos condená-los ou louvá-los. Basta-me, por agora, realçar que nada disso nasceu com a Internet, como é óbvio.

O que é importante é que se aprenda a lidar com as características da Internet que potenciam alguns vícios. Por exemplo, a superabundância de informação facilmente conduz à superficialidade, à falta de análise, ao copy/paste sem que haja o cuidado de analisar, compreender e selecionar a informação.

Curiosamente, também pode ocorrer o contrário. A tentativa de limitar e personalizar em demasia os interesses pode conduzir a grupos muitos fechados, a um estreitar de vistas e de opiniões, a ecossistemas de informação demasiado delimitados. É um fenómeno também comum noutros ambientes, que nada têm a ver com a Internet.

Outro efeito muito frequente é o da propagação dos erros. Pelo facto de algo estar na Internet isso não significa que seja correto ou verdadeiro. No entanto, existe uma tendência quase natural em acreditar em informação publicada por outros. Assim, muitos erros são propagados, de boa ou má fé.

Saber pensar por si próprio, manter um espírito crítico mas aberto, confrontar e analisar diferentes fontes são, por isso, essenciais num mundo inundado de informação. Desta forma estaremos todos preparados para enfrentar os perigos e vícios que não são, afinal, da Internet, mas sim de nós próprios. Estaremos, em suma, melhor preparados para viver numa sociedade cada vez mais exigente.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.