Opinião – Rhynchophorus ferrugineus

Posted by

PAULO-VALERIOPaulo Valério

Parece que o Rhynchophorus está a matar as palmeiras de Coimbra. Já há uns tempos, um fungo que deve ser primo dele, a julgar pelo apelido com asteriscos e raízes quadradas, tinha arrumado com umas dezenas ( 40!) de plátanos, no Parque Manuel Braga. É assunto em que não me quero meter. Percebo pouco de fungos e menos ainda de raízes quadradas. Mas não deixa de ser curioso, desde logo, que o Parque que sobreviveu a dezenas de Queimas das Fitas, venha a sucumbir, dizem os entendidos, às mãos do stress.

Eu sei do que estou a falar. Taberna, mictório, enfermaria, sala de chuto, pousada e motel, o Parque Manuel Braga já foi um pouco de tudo nesta vida. Os mais esquecidos experimentem, por instantes, revisitar uma ou duas cantigas da Orxestra Pitagórica e apreciem essa admirável viagem aos jardins proibidos da nossa juventude. Depois “encontramo-nos no coreto”. Já está? Voltemos a este escrito enfadonho.

É uma ironia extraordinária. Tantos anos depois de termos inaugurado o Queimódromo para proteger o Parque, onde agora praticamente só circulam idosos, as árvores começam a padecer de um fungo provocado pelo stress e acabam por ser abatidas, uma por uma.

O Rhynchophorus ferrugineus faz-me lembrar muito esta crise. Durante mais de vinte anos, andámos às ordens da Europa, passámos a ser mais bem comportados e asseadinhos e, como é costume dizer-se, “mudámos de paradigma”. Agora, ironicamente, somos atacados por um bicho de apelido economês que ninguém consegue decifrar e a Europa manda-nos abater, pura e simplesmente.

Estranho tempo este, em que já nem as árvores morrem de pé.

2 Comments

  1. Marília Peres says:

    Quem sabe não são as saudades da presença da juventude e dos seus devaneios e excessos que está a provocar o stress e o aparecimento de fungos e outras mazelas nos maravilhosos plátanos do nosso parque e avenida. Não sei porquê mas fico com muito medo de que sejam outros interesses, quem sabe económicos e pouco claros que estão a provocar o stress nas árvores. Já vem sendo hábito incendiar, abater, destruir para empobrecer todos em favor de alguns. Espero estar enganada.

  2. A. Martinho says:

    Pois é Amigo Valério. E solução para isto? anda tudo anestesiado… estamos de facto como os plátanos da Avenida. Obrigado pelo teu bom artigo.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.