Opinião – Quando o despertador era o galo

Posted by

Gonçalo Reis TorgalGonçalo Reis Torgal

Chego da comemoração do 18 de Janeiro, na Marinha Grande. Acompanhei os amigos vidreiros, neste dia em que se honram por serem terra e classe que tem dia e gente para festejar. Feliz terra e povo que não desdenha e lembra os seus ilustres e dias grandes, mesmo de glória e morte em vão. Não vou, hipocritamente, dizer que sinto a data como eles. Tinha então 3 anos e a formação cultural não me teria permitido acompanhar o espírito de revolta que os lançou na aventura, se mais velho fôra, traídos, pelos que dela fugiram. Ontem como hoje, o servirem-se os políticos do povo, contra o povo. Reconheço, porém, a grandeza de espírito dos que lutaram. O despertador seria o galo, mas a consciência do não lhes convir (errados estivessem) não os adormeceu, amarrados ao reclamar, sem agir. Tempos graves, aqueles, quando se incitava a ser “Todos pela Nação”, que podia não ser a Nação esperada e desejada por todos – embora não fossem “contra a Nação” – mas era livre, como livre era no criticado “Orgulhosamente sós!” Portugal, porém. Hoje, ocupados, com governo a mando alheio, como só o foi sob o domínio de Espanha e do “rei” Junot. Com factotens da TROYKA, como então do conde duque de Olivares ou do governador de Paris, somos incapazes de acção que grite a discordância com o desgoverno do povo logo do País, pois, governar contra o povo é contra Portugal. E não venha CPP, por si ou ministro mandado, vertendo lágrimas de crocodilo, dizer que salvou Portugal. Patriotismo tal, lembra-me Óscar Wilde, quando dizia que certo patriotismo “é a virtude de cobardes” oportunistas.

Na segunda década do século XXI, já ninguém pensa que os comunistas comem criancinhas ao pequeno almoço, mas começamos a pensar que o governo de CPP “come” o pequeno almoço das nossas crianças, muitas das quais, se o têm, o devem às instituições de solidariedade social: Misericórdias e outras, laicas ou religiosas, não ao governo. O governo demitiu-se, como não apenas se demitiu, mas ferozmente ataca os velhos, que se vão morrendo perante o vil alheamento governativo, quiçá a esfregar as mãos quando sabe que mais um foi encontrado morto no abandono de uma velhice desamparada. Porém, este governo faz-se sempre representar, até a nível ministerial (cf. DM e o ministro Pedro Mota Soares) quando sabe de qualquer acção, visando o minorar o mau passar do fim de vida de quem acreditou no Estado e lhe confiou as reformas ou pensões, pensando lidar com pessoa de bem e não com vilão de má fé, que lhas sugou.

Perante tudo isto e um PS sem carácter nem crédito, internamente desunido que, na ânsia do não compromisso, traz à ribalta (ou o permite) Pedro Silva Pereira, maquiavélico braço direito do milionário emigrante em Paris (à custa de quem e para quê, além do fugir às responsabilidades da desventura deixada?); destaca José Junqueiro que em consecutivas legislaturas nem os interesses de Viseu presou; mantém o inútil produto da JS que é (verrinosamente mau, quando poder) Jorge Lacão a par de falsos “Cids” de questões fracturantes alheias ao povo. Sem esperança, na prática que muda e transforma, na demais oposição. Com um PR palavroso mas alheio. Com dúvidas sobre a não subordinação da prática jurídica ao interesse partidário pelo Tribunal Constitucional, nada fica.

Melhor, resta a força históricade ser português.

Para despertar, para lá do galo, queda a fé no que somos, pelo que fomos.

 

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*