Opinião – Cenário do Buçaco é muito pior do que em Sintra

Posted by

BRUNO COIMBRA DR

Bruno Coimbra

O cenário que encontrei no Buçaco é catastrófico! É ainda pior dos ocorridos em Sintra ou em outras áreas classificadas nas regiões afectadas pelo mau tempo que nos assolou.

Centenas de árvores caídas em algumas zonas, árvores centenárias partidas ao meio, espedaçadas e desenraizadas. Até o ‘Cedro de Sao José’ – o cedro mais antigo de Portugal, datado de 1644 – foi completamente espedaçado pelo vento!

As ermidas e capelas da Via Sacra, bem como os objectos no seu interior, soterradas e esmagadas pelos troncos maciços tombados sobre elas. Acessos completamente atulhados de madeira, terra e lama…

O cenário é de grande destruição do património botânico que faz da Mata do Buçaco a maior reserva dendrológica da Europa, e do património histórico e cultural edificado, que a distingue das demais áreas deste tipo no nosso país…

Acompanhei o levantamento e trabalhos efectuados pela direcção e funcionários da fundação Mata do Buçaco, que não olham a esforços para tentar garantir as condições mínimas de recuperação daquilo que ainda é possível recuperar.

Reuni com o seu Presidente, bem como com o Sr. Presidente e o Sr. Comandante dos Bombeiros Voluntários da Mealhada e alertei todos os coordenadores do Grupo Parlamentar do PSD das áreas da Agricultura, Ambiente e Cultura, bem como o Sr. Secretario de Estado da Agricultura e o gabinete da Sra. Ministra da Agricultura, Mar, Ambiente e Ordenamento do Território.

É fundamental o empenho e envolvimento de todas as instituições locais e nacionais relacionadas com estas áreas para que se possa fazer algo com sucesso. Serão precisos meses de trabalho para limpar e recuperar as áreas afectadas dentro da Mata, milhões de euros para recuperar o edificado histórico, muita mão de obra qualificada…e mesmo assim existem situações que não serão possíveis repor e que constituem uma grande perda.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*