Opinião – Alma única

Posted by

PROVEDORIA AMBIENTE 07 GMM

Salvador Massano Cardoso

Discute-se imenso, por vezes com muita paixão, a questão do direito à eutanásia, que muitos consideram ser uma iniquidade, um atentado contra a vontade divina a quem é atribuída o direito exclusivo de dispor da vida e da morte.

Compreende-se que mexer na vida, encurtando-a, possa ser considerado como um crime, um atentado aos direitos humanos, porque, apesar das condições em que é pedida, dramáticas, impossíveis de resolver, pode levar a um abuso ou banalização. Presumo que são estes os dois perigos, o não respeito pela vida concedida por um deus e o risco de banalização.

A maioria dos países opõem-se à eutanásia ativa, embora “fechem” os olhos à “passiva” ao considerarem o “encarniçamento terapêutico” como uma forma inumana, violenta e obscena de prolongar inutilmente a vida à custa de meios terapêuticos que hoje são bastante sofisticados.

Este último aspeto parece ser consensual mesmo entre os obedientes da vontade divina. Um passo positivo. Quanto à eutanásia ativa as coisas são muito mais complexas. De qualquer modo, ao analisar alguns casos concretos, sou confrontado com um misto de aceitação, de compreensão e de dúvida. Nem podia ser outra coisa.

Não sei o que faria como médico, nem como doente. Certas situações são extraordinariamente complexas. Tenho que confessar que não tenho autoridade, nem sou capaz de julgar os que fazem eutanásia ativa, nem tão pouco os doentes que pedem para a fazer. Respeito-os, não tenho outra alternativa.

Chamou-me a atenção a história de dois irmãos gémeos, que nasceram surdos, e acabaram por sofrer várias doenças, entre as quais a cegueira, acabando por serem sujeitos, a pedido, a eutanásia. Viveram e trabalharam sempre juntos, eram sapateiros. Quando se confrontaram com a ameaça de cegueira irreversível, sentiram que lhes seria impossível comunicar. Um sofrimento demasiado atroz para uma alma dividida em duas. Pediram para que lhes fossem feita eutanásia.

Eram belgas, país que autoriza esta prática. Inicialmente foi-lhes recusada, porque não sofriam de doença grave, mortal. No entanto, depois de vários pedidos e análises, os responsáveis concluíram que o sofrimento de não poderem comunicar seria insuportável. A tríade da justificação para a eutanásia estava completa: pedido voluntário, reiterado e refletido; sofrimento de ordem física ou psíquica, o qual deverá ser causado por uma afeção grave e incurável.

Nasceram do mesmo ovo, dividiram a alma em duas, sofreram as mesmas doenças, nunca falaram um com o outro, viveram e trabalharam sempre juntos, comunicavam com os olhos, e quando estes ameaçaram apagar-se sentiram uma dor insuportável por não poderem nunca mais comunicar. Encontraram a solução, voltaram a ser uma única alma.

Respeito-os.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.