Alunos fecham Escola de Artes da Covilhã a cadeado e reclamam subsídio em atraso

Posted by

Os alunos da Escola Profissional de Artes da Covilhã fecharam hoje as instalações a cadeado e estão a fazer greve às aulas em protesto por não receberem subsídio de alojamento há dois meses.

Os portões acabariam por ser abertos a meio da manhã pela GNR, mas os estudantes, com idades entre os 12 e os 23 anos, permanecem em protesto à porta da escola.

No local, o aluno Samuel Duque disse à agência Lusa que o subsídio de 125 euros mensais é devido aos alunos deslocados, que são cerca de 70 dos 120 que frequentam a escola de ensino de música gerida pelo grupo GPS.

Como consequência “já houve senhorios a despejar colegas” e há casos de quem tenha passado “o fim de semana só a comer bolachas”, porque “os pais não têm dinheiro para tudo”.

Samuel frequenta a escola há seis anos, é o aluno com mais matrículas no estabelecimento, e refere que o problema é crónico: “há sempre dois ou três meses em atraso e quando chega ao terceiro mês pagam um, para nos calar”.

Segundo referiu o aluno, quando confrontada pelos alunos, a direção da escola justificou o atraso com o facto de não receber as verbas relativas aos subsídios e que deviam ser entregues pelo Estado, através do Programa Operacional do Potencial Humano (POPH).

Contactada nas instalações pela agência Lusa, a direção da escola não quis prestar esclarecimentos.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.