Diário de S. Martinho do Bispo – “Vergonha” da estrada e das margens do rio não tira pujança à feira

Posted by

A cidade e o campo juntam-se, duas vezes por mês, à beira rio, em S. Martinho do Bispo. É num recinto vedado que acolhe as feiras dos 7 e dos 23 (correspondendo aos dias do mês).

É óbvio que a dimensão rural ainda é largamente dominante – com a venda de produtos agrícolas ou de utensílios e equipamentos para o cultivo da terra.

Mas, aos poucos, o certame ganha características de feira urbana, com roupa, muita roupa de marca de duvidosa autenticidade, mas também calçado, flores, mobiliário e outras bugigangas de casa.

A feira, diga-se, ganhou, com a abertura da alameda que passa junto do Instituto Superior Bissaya Barreto, a acessibilidade fácil e cómoda que a estrada do campo continua a não garantir.

Em causa, sobretudo, está o trajeto que liga a feira [dos 7 e dos 23] aos Casais, que serve tanto feirantes como compradores. Trata-se de um troço que a Junta de Freguesia de S. Martinho do Bispo considera estratégico e que, por isso, procura repor o pavimento com regularidade.

Versão completa na edição impressa

3 Comments

  1. – Estrada que vai do Açude para a Feira.
    – Acesso de Bencanta que vai pelas Estufas da Agraria.
    – Acesso do viaduto de São Martinho que vai por um beco e pelo Instituto BB.
    – Estrada da Ponte dos Casais para a Feira.

    Destes acessos, digam-me um que tenha as minimas condições de circulação para que se possa minimamente ver a tal importância "estratégica"! Ruas estreitas, estradas esburacadas, ausência de passeios, estacionamento selvagem nos dias de Feira e Policia Municipal nem vê-la, conseguimos meter um Homem na Lua mas nem uma tampa de esgoto conseguimos manter nivelada com o resto do alcatrão, por amor de Deus! Vergonha, vergonha, vergonha é o que todos os dirigentes deviam sentir cada vez que olham para a "obra" que deixam feita. Mais vergonha ainda deviam ter quando vão para os jormais orgulharem-se do que fazem!

  2. Manuel Aguiar says:

    Realmente todos os acessos á feira são maus,mas o que dizer do interior da feira sem arruamentos condignos para compradores e vendedores se sentirem bem.Nestes dias de inverno não seria bom chamar áquele recinto FEIRA DA LAMA e não feira dos 7 ou 23?A junta de freguesia devia olhar mais para a feira doque para o saco de notas que aquele recinto lhe propociona mensalmente.

  3. Ema Ferreira says:

    Sou regular frequentadora destas feiras. Realmente, não há, por parte da câmara ,consideração alguma por feirantes e pela população que assiduamente frequenta o local! A junta de freguesia está demasiado ocupada, ou apenas indiferente, coadjuvando a câmara da cidade !
    Esperamos continuar a sobreviver à mentalidade destes desgovernados " governantes" !

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*