Renato Seabra considerado culpado pelo júri

Posted by

O português Renato Seabra foi hoje condenado em Nova Iorque por homicídio em segundo grau, pelo assassínio confessado do cronista social Carlos Castro, em janeiro de 2011, num hotel da cidade.

A decisão dos jurados foi comunicada ao Tribunal nova-iorquino após mais de seis horas de deliberações, cabendo agora ao juiz ditar a sentença.

Seabra, que se recusou a assistir às últimas audiências, assistiu à leitura da sentença de cabelo rapado, sentado junto aos seus advogados e vigiado por quatro polícias.

O jovem, detido há mais de um ano no estabelecimento prisional de Rikers Island, enfrenta agora uma pena mínima de prisão 15 anos a perpétua e máxima de 25 anos a perpétua.

A leitura da sentença ficou marcada pelo juiz Daniel Fitzgerald para 21 de dezembro.

A defesa pedia a absolvição, argumentando que os problemas mentais de Seabra, diagnosticados pelos psiquiatras que o observaram depois do crime, o impediram de ter consciência dos seus atos, a chamada “defesa por loucura”.

A acusação sustentou que foi a “raiva e vergonha” com o final da relação homossexual com Castro, iniciada assumidamente a troco de favores materiais, a levar ao violento crime de 07 de janeiro de 2011.

Depois de a porta-voz do júri comunicar a decisão, os 12 jurados foram questionados um por um como tinham decidido, respondendo todos “culpado”.

O advogado de Defesa, David Touger, levou as mãos à cabeça ao ouvir a decisão e assim se deixou ficar durante alguns minutos.

No final, revelou que vai pedir recurso da decisão, mas não precisou quando e com que argumentos.

Seabra esteve impassível e cabisbaixo durante a leitura da sentença e apenas antes de sair da sala se virou para a mãe, que assistia à leitura da sentença na companhia de três amigas.

A mãe, Odília Pereirinha, pediu-lhe então calma, através de gestos, soprou beijos e uniu as mãos, como que a rezar.

Odília Pereirinha, que acompanhou todas as audiências e em muitas delas chorou, escusou-se a prestar declarações à imprensa no final.

Na audiência esteve também uma irmã da vítima, Amélia Castro, e uma prima, que celebraram a decisão de forma comedida.

O procurador de Nova Iorque, Cyrus Vance, congratulou-se hoje com a condenação de Renato Seabra pelo homicídio de Carlos Castro, que considerou um “crime brutal e sádico”.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.