PS/Guarda considera “maquiavelismo partidário” a exoneração de Ana Manso

Posted by

O presidente da Federação do PS/Guarda, José Albano Marques, considerou que o processo de exoneração de Ana Manso da presidência de unidade de saúde local é um ato de “maquiavelismo partidário“.

“O processo de exoneração do conselho de administração da Unidade Local de Saúde (ULS) da Guarda, presidido pela militante e ex-deputada do PSD, doutora Ana Manso, e a sua substituição por nova equipa de gestão (…) é um ato de maquiavelismo partidário na mais alta escala e a que a Guarda, na simplicidade dos seus comportamentos, não estava habituada”, afirmou José Albano Marques.

O Conselho de Ministros substituiu na quinta-feira a administração da ULS da Guarda, liderada por Ana Manso, que foi marcada pela polémica nomeação do marido para consultor.

A nova equipa dirigente será liderada por Vasco Lino, um gestor com pós-graduação na área de cuidados de saúde e que já esteve à frente do agrupamento de centros de saúde e do centro hospitalar da Cova da Beira.

O PS/Guarda reagiu à exoneração, numa conferência de imprensa, onde o dirigente distrital afirmou que o partido “jamais deixará que o hospital da Guarda seja uma qualquer sucursal da Covilhã”, pelo facto de o novo responsável estar ligado à região.

A ideia da criação de um pólo de saúde da Beira Interior “defendido a partir da Covilhã é uma evidência de que não há fumo sem fogo”, observou.

O mesmo responsável referiu que a alteração feita pelo Governo na equipa da ULS “passa por uma futura reestruturação a nível dos cuidados hospitalares no eixo da autoestrada A23 (Guarda/Torres Novas) e o Governo precisava de ter nas várias cidades equipas de gestão dóceis e concordantes com a estratégia economicista para uma reforma da saúde”.

2 Comments

  1. rui Ferreira says:

    Não foi essa senhora que nomeou o marido para chefe da equipe de auditoria da instituição a que ela presidia? Será que em Portugal alguém alguma vez ouviu falar em conflito de interesses? Essa senhora não só deve ir para a rua como deveria ser julgada em tribunal por prevaricação e abuso de posição dominante. Mas Portugal ainda está longe da verdadeira democracia. Quanto ao Sr. Marques, tenha juízo e não envergonhe os verdadeiros socialistas.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*