Opinião – Bom Senso

Posted by

O direito à greve é fundamental e, por isso, está muito bem na Constituição. O direito à indignação ainda é mais relevante e é bom que seja exercido sempre que necessário. Acontece, porém, que também existem deveres correlatos. Alguns estão na Lei Fundamental porque tëm essa dignidade. E muitas vezes esquecemos isso.

Independente de direitos, deveres e normas jurídicas há o bom senso, a maior de todas as virtudes.

É partindo da sensatez que se levantam algumas questões, sobretudo em tempos de vacas magérrimas: qual o contributo efetivo de greves e manifestações para melhorar o estado da economia nacional? Quantos novos postos de trabalho se geram a cada greve ou manifestação? Quanto custa a cada contribuinte essas passeatas avenida abaixo?..

Aos que acham reacionarismo da minha parte, respondo que é antes pragmatismo. Não me deixo enlevar no discurso dos profissionais dos sindicatos, nem tão pouco no romantismo de uma esquerda radical que, pasme-se, nas ruas se junta aos propósitos da direita radical. Todos eles dependem deste folclore para sobreviver politicamente e dentro das respetivas organizações. São os mesmo rostos há anos e anos. O país mudou, as gerações mudaram e os desafios também. Eles não!

A minha geração – aquela que é sem dúvida a mais bem preparada e qualificada – é, ironia das ironias, a que está a sair em busca de melhores oportunidades. Aquela que vinga cá fora pelo nível de competência e de exigência. Aquela que sabe que as ruas, as palavras de ordem e as pedradas contra o Parlamento e ou a polícia não geram nada: nem um posto de trabalho nem menos impostos.

Se há indignação contida – e existe imensa – pois há formas bem mais criativas de a materializar que apedrejar e berrar. Há um tempo para tudo. Fazer de Lisboa uma Atenas a arder ou uma Madrid em estado de sítio não trará nada de novo aos portugueses.

Finalmente, em democracia, a indignação tem um espaço sagrado para se manifestar: nas eleições. É nessas ocasiões que se premeia e se pune. O mais é pirotecnia que nada resolve.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*