Líder do PS diz que “derrapagem orçamental podia ser evitada”

Posted by

O secretário-geral do PS, António José Seguro, disse hoje (24) que a “derrapagem orçamental podia ser evitada” e acusou o Governo de ter imposto “pesados sacrifícios” aos portugueses sem conseguir obter resultados positivos.

“A meta do défice para este ano era de 4,5 por cento [depois revista em alta pelo executivo para os 5%], portanto, já não vai ser” atingida, afirmou, argumentando que o défice deverá ficar “acima dos 6%”.

Por isso, para António José Seguro, o Governo não cumpriu o que prometeu aos portugueses, no ano passado, quando pediu “pesados sacrifícios”, mas para “conseguir uma meta do défice de 4,5%”.

“Conseguiram? Não conseguiram”, afiançou o secretário-geral do PS, acrescentando que, “em casa, cada português que fez enormes sacrifícios, os 100 mil portugueses que já perderam, desde o início do ano, o seu posto de trabalho” estão a perguntar “Sacrifícios para quê?”.

Segundo Seguro, atualmente, “o défice não está controlado, a dívida aumentou, já vai em cerca de 120%, o desemprego é o maior da história” do país e “a economia está a cair”.

O líder socialista falava aos jornalistas em Vila Viçosa, durante uma visita a uma pedreira de extração de mármore, onde foi questionado sobre os mais recentes dados da execução orçamental, divulgados na sexta-feira.

O défice da administração central e da Segurança Social atingiu os 8.145 milhões de euros em outubro, segundo os critérios relevantes para a ?troika’.

O boletim de execução orçamental da Direção-Geral do Orçamento (DGO) mostra que o valor do défice público nos primeiros dez meses do ano já está muito próximo do total previsto para 2012: 9.000 milhões de euros.

A receita fiscal caiu 4,6 % nos primeiros dez meses do ano por comparação com o mesmo período de 2011, indica igualmente o boletim.

Números que não surpreenderam António José Seguro, que defendeu que a “derrapagem orçamental podia ser evitada”, caso a aposta do executivo do PSD/CDS “fosse na economia e no crescimento em Portugal”.

 

Autor: Agência Lusa

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.