Eu, deputado – Orçamentos

Posted by

Serpa Oliva

Estamos na semana decisiva em que começaremos a votar o Orçamento do Estado para 2013 na especialidade. Simultaneamente, o Conselho Europeu de chefes de Estado e primeiros-ministros reúne-se em Bruxelas para a discussão do orçamento plurianual de 2014-2020. São, seguramente, dois momentos decisivos, quer para Portugal quer para a Europa.

Se o nosso Orçamento é o possível dentro das várias restrições a que estamos sujeitos por imposição de quem nos financia, o outro diz respeito a dinheiros comunitários que no passado nos fizeram crescer de forma desordenada, mas que nesta fase de crise mundial nos leva a ter que renegociar cada uma das verbas que nos serão atribuídas.

Mais do que nunca precisamos de bom senso e, simultaneamente, uma verdadeira perspetiva de sentido de Estado para que possamos começar a construir o futuro que todos esperamos menos doloroso e mais promissor. Os cortes na despesa pública serão, no que concerne ao Orçamento nacional, uma das barreiras que temos que transpor. Relativamente à Europa não podemos deixar de salientar a questão da PAC, que nos interessa sobremaneira, pois pensamos que grande parte do sucesso futuro do país passará por aí.

É bom não esquecer que as infraestruturas construídas com dinheiro da Europa nos trazem um bem-estar acrescido que é visível desde a mais pequena aldeia até ao maior centro urbano. Não poderemos dizer que desde a nossa entrada para a Europa, a mesma não tem sido solidária connosco.

Independentemente de se gostar ou não, todos teremos que ter a noção que viver mais pobre não significa necessariamente ter menor qualidade de vida. Essa, bem inestimável que todos perseguimos, estará sempre assegurada desde que tenhamos saúde e vontade de sofrer hoje para um amanhã mais risonho.

Deputado CDS-PP

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*