Descoberto gene que impede avanço do cancro

Posted by

 

 

 

Investigadores da Case Western Reserve University School of Medicine (CWRU) descobriram que uma forma mutante do gene Chk1, quando expresso em células cancerígenas, impede de forma permanente a proliferação destas e provoca a morte celular sem ser necessário recorrer a quimioterapia.

Ao estudar o mecanismo básico da integridade genómica, a equipa de investigadores da CWRU descobriu uma forma mutante ativa do Chk1 humano, que é também uma forma não natural deste gene. Esta mutação alterou a conformação da proteína do Chk1 da forma inativa para a ativa.

A principal vantagem desta possível nova estratégia de tratamento do cancro reside no facto de não necessitar de fármacos quimioterapêuticos tóxicos para conseguir matar células cancerígenas.

As células respondem a danos provocados no ADN ativando redes de vias de sinalização denominadas pontos de controlo do ciclo celular (cell cycle checkpoints). Fundamental para estas vias genómicas é a proteína cinase, denominada Chk1. O Chk1 facilita a sobrevivência celular, incluindo as células cancerígenas, sob condições de stresse, tais como as que são induzidas por agentes quimioterapêuticos, parando temporariamente o ciclo de progressão celular e coordenando a reparação dos erros de ADN.

Há muito que é sugerido que a combinação da inibição do Chk1 com quimioterapia e radioterapia deverá melhorar de forma significativa o efeito anticancerígeno destas terapias. Esta ideia tem servido de base para a procura de potenciais inibidores do Chk1 que possam combinar-se de forma eficiente com a quimioterapia no tratamento do cancro. Até à data, nenhum inibidor do Chk1 tinha passado a fase III de ensaios clínicos.

FacebookTwitterGoogle+LinkedInEmailPartilhar

2 Comments

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>