Projeto de Oliveira do Hospital vai mecanizar descasque e desidratação de ‘pêra passa’

Posted by

A Plataforma de Desenvolvimento da Região Interior Centro (BLC 3) vai instalar em Oliveira do Hospital uma unidade piloto para descascar, desidratar, espalmar e embalar pêra de São Bartolomeu e, numa fase posterior, outros frutos secos.

O projeto, que visa a “automatização de todo o circuito” entre a produção e a comercialização do fruto, vulgarmente também conhecido por ‘pêra passa’, envolve um investimento da ordem dos 700 mil euros, tendo “já garantida uma comparticipação comunitária de cerca de 400 mil euros”, disse hoje à agência Lusa João Nunes, presidente da BLC 3.

“Os testes feitos na unidade piloto permitirão, mais tarde, a industrialização desta grande riqueza regional e a sua recuperação para o mercado nacional e internacional”, sustentou aquele responsável.

A instalação da unidade piloto vai ser iniciada “já em maio”, adiantou João Nunes, prevendo que ela possa estar a “funcionar em pleno dentro de 18 meses”, ocasião em que será desenvolvido um “processo de incentivo, acompanhamento e apoio” à produção da pereira de São Bartolomeu na região.

Com este projeto, a BLC 3 pretende “valorizar uma das maiores riquezas” da zona norte do distrito de Coimbra e de algumas áreas dos distritos de Viseu e Guarda, que “quase desapareceu, por falta de investimento tecnológico”.

Em 1930, “só no concelho de Oliveira do Hospital, produziram-se 90 toneladas daquele fruto”, segundo dados de um estudo publicado pela então Direcção Geral dos Serviços Agrícolas, “mas hoje a produção de ‘pêra passa’ naquele município não vai além da “meia dúzia de toneladas”.

Além de Oliveira do Hospital, a pêra de São Bartolomeu também se produz nos concelhos de Tábua e de Seia e nalgumas freguesias dos municípios de Viseu, Nelas, Mangualde, Santa Comba Dão e Gouveia.

FacebookTwitterGoogle+LinkedInEmailPartilhar

4 Comments

  1. Só a minha conta já tenho mais de 2000 pês de pereira são bartolomeu plantados desde 2008. Está tudo a correr muito bem.

    Mas nada chega ao descasque manual e secagem ao sol. Disso tenho a certeza
    este projecto será bom para produção em massa, para pêra corrente, não seleccionada.

    cumprimentos
    http://www.perapassadeviseu.com

  2. A P Mamede says:

    Conheço desde há muito a pêra e sobretudo o magnifico e digestivo licor.
    Tenho cerca de 500 Kg para venda – quintal no concelho Seia, aldeia de Pereiro.
    Pode-me indicar alguém interessado ?

  3. José Ângelo Andrade says:

    Na Terra onde nasci e resido (Cortiçô – Fornos de Algodres), também outrora se produziam os célebres presuntinhos. Uma tia minha, entretanto falecida, era especialista no assunto e muitas vezes me deu a provar a iguaria.
    Este assunto despertou-me muita curiosidade e vou tentar produzir pêras-passa com base nas informações aqui disponibilizadas, recolhendo os frutos de algumas árvores ainda existentes na minha aldeia.
    Quanto aos projectos de produção em série e em quantidades industriais, discordo deles em absoluto, pois banalizarão uma mais-valia regional, que, a curto/médio prazo, deixará de ser rentável, arredando do processo todos os pequenos produtores, os quais serão esmagados pela industrialização e comercialização em massa.
    Tudo isto aconteceu já com outros produtos regionais, incluindo o próprio Queijo da Serra.
    Tomara estar enganado !!!!!

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>