Agricultores de Peniche pedem apoios para batata queimada pela geada

Posted by

DR

Os agricultores da localidade Ferrel, no concelho de Peniche, vão pedir apoios ao Governo, depois de a geada do último fim-de-semana ter destruído toda a plantação de batata da freguesia.

“Estamos a fazer um levantamento dos prejuízos e já solicitámos a intervenção da Direção Regional de Agricultura do Ribatejo e Oeste porque toda a produção de batata da freguesia está completamente destruída”, disse à Lusa Silvino João, presidente da Junta de Freguesia de Ferrel.

O pedido de apoio dos agricultores, surge depois de “a geada negra [que queima a vegetação devido ao frio intenso e congelamento da água no interior das suas células] que caiu na noite de domingo e segunda-feira, ter queimado vários hectares de batata primor”.

A batata primor é uma qualidade de batata plantada antes da época e cuja produção se restringe, segundo o autarca, “praticamente à freguesia de Ferrel, Gafanha da Nazaré e Montijo, onde a proximidade do mar, impede normalmente a queda deste tipo de geada”.

As 150 toneladas de batata plantadas deveriam, segundo os agricultores, resultar, nos próximos meses de março e abril, numa colheita estimada de quatro vezes o seu peso (cerca de 600 toneladas).

A produção habitualmente escoada através do MARL (Mercado Abastecedor da Região de Lisboa) e de algumas empresas de transformação de hortícolas, “este ano vai ser zero”, assegura José Oliveira, de 62 anos.

O agricultor, que em conjunto com o filho, Artur (38 anos) plantou 12,5 toneladas de batata e que estimava vir a colher cerca de 200, mostrou à Lusa o “cenário de destruição” que se estende por todas as parcelas de terreno.

Plantas queimadas ou apenas terra lavrada nas parcelas onde “a geada não deixou sequer a planta florescer”, é o cenário que se repete nas terras de José Marques, onde as 7,5 toneladas plantadas “foram todas à vida”.

A destruição da colheita afeta igualmente muitos pequenos produtores e agricultores de subsistência na freguesia que se dedica integralmente à cultura da batata, couve coração e alho francês.

“A couve é plantada noutra época e, nesta altura, há algum alho, mas pouco, já que a maioria dos agricultores está vocacionado para a batata”, explica Bruno Agostinho, um jovem agricultor que viu destruídas as quase duas toneladas plantadas.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*