Reflexões

Luís Santarino

METRO MONDEGO – O Tribunal de Contas – entidade independente – veio a público denunciar as monstruosidades. Não se cinge a uma análise técnica ou circunstancial, mas faz uma avaliação qualitativa. Um desastre para Coimbra. A cidade é um colectivo. Não é um somatório.

METRO MONDEGO 1 – As populações servidas pelo ex-comboio da Lousã não podem ser prejudicadas. Vale a pena fazer uma proposta com “pés e cabeça” e abandonar as megalomanias e colocar os megalómanos longe!

METRO MONDEGO 2 – Será que a culpa vai, de novo, morrer solteira?

PS/NOVO CICLO – Fiquei estupefacto ao saber que existe um novo ciclo, por dirigentes novos. Discutir com os militantes o voto no OGE depois de uns “cabecinhas de ouro” já terem decidido tudo em Lisboa, é no mínimo patético. Os contributos recolhem-se antes.

PS/NOVO CICLO 1 – O culpado de existirem muitas estruturas desportivas no País, tais como pavilhões, piscinas e estádios é do POVO; o POVO disse que não queria? Ah pois é! Toma e embrulha!

PS/OGE – Eu defendo o voto a favor neste orçamento.

PS/OGE 1 – Fi-lo, na convicção de que mais vale fazer oposição “por dentro” do que ficar a “ver a banda passar”! Ser credível nas alternativas que proporia.

PS/OGE 2 – A direcção política não existe. E se esta não existe, o partido também não.

PS/OGE 3 – Depois de tantos anos a governar Portugal, o pior que se pode fazer é lavar as mãos como Pilatos. Assumir a nossa responsabilidade era um imperativo de consciência. A abstenção é própria dos fracos, de quem não tem ideias, de quem não sabe o que quer para o País.

PS/OGE 4 – As “Grandes Opções do Plano” deveriam ser objecto de análise. É a ferramenta que determinará a vitória ou derrota do Partido Socialista nas próximas eleições legislativas. Mas isso parece ser “muita areia para muitas camionetas”! É preciso saber, trabalhar e não ter sono!

PS/OGE – Já percebemos que o País vai ser objecto de uma coligação de salvação nacional entre o PSD, o CDS e o PS dentro de poucos meses. Por vontade própria? Não. Por vontade dos “capatazes” do PS e do PSD…que para isto o CDS não conta!

PSD/CDS – Sabem bem que este orçamento é penalizador dos cidadãos e não ajuda a economia. Um passo atrás agora, para dar dois à frente, impõe-se.

PSD/CDS – Se não cederem agora, para ceder em 2013, cheira a esturro.

JUNTAS DE FREGUESIA – Felizmente, não posso agradar a toda a gente; gosto de escrever, sendo que alio a escrita a uma forma muito própria de comunicar; percebo que o texto não era fácil para um qualquer “Regedor” – Presidente de Junta do Salazarismo que controlava o pensamento dos cidadãos. Percebo a dificuldade de ler e de perceber…sobretudo, para quem o “exercício de pensar” não é, nem uma preocupação diária, nem algo que lhe advenha de antanho! Agora é que foi! Vá-se lá perceber o homem!

JUNTAS DE FREGUESIA 1 – Estou disponível para, em qualquer lugar e com qualquer seja ele quem for, discutir a reforma administrativa do Estado, considerando eu, à partida, que sairei muito mais rico da discussão.

REFORMA ADMINISTRATIVA DO ESTADO – Serve sobretudo para alguns andarem, “tal varejeiras”, de freguesia em freguesia a vender gato por lebre, preocupados com a sua sobrevivência política. No PS, é uma constante!

 

2 Comments

  1. Mário Carvalho says:

    Este Homem "farta-se" de reflectir!

  2. Álvaro Cardoso says:

    Considero que as reflexões feitas pelo Sr Luis Santarino devem ser objecto de análise por quem de direito dentro do PS e mesmo de outros partidos. São um ponto de partida para melhorar os principios que defendem o regime "democrático" em que muitos afirmam vivermos.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*