O Metro Mondego da mentira!

Luís Vilar

Sobre o Metro Mondego, está instalado o desnorte, nos partidos políticos em Coimbra.

O PSD afirma que é necessária uma avaliação económica sobre a situação, esquecendo-se que, num passado recente, apresentou uma candidatura à câmara municipal que dependia do avanço das obras do Metro. Mais, que andou a negociar casas na Baixa para o projecto urbano do Metro.

O CDS-PP, quase na mesma linha do PS, acusa uma dezena de administradores que por lá passaram, esquecendo-se que um deles (presidente) foi do CDS e só pretendia gastar mais 20 milhões de euros num túnel na Av. Armando Gonçalves que dá acesso ao HUC.

O PS acusa os antigos administradores (durante estes 18 anos), esquecendo-se das administrações nomeadas pelos Governos do PS.

O PCP, esqueceu-se que o seu ex-representante na Câmara Municipal de Coimbra, Gouveia Monteiro, sempre defendeu o traçado urbano, indignando-se até contra tudo e contra todos.

O BE foi o mais contido nas críticas, mas o mais distante da realidade.

Honra seja feita ao último presidente do Metro, prof. Álvaro Seco, que só aceitou o lugar depois de lhe garantirem que ia haver obra, motivo que depois o levou a demitir-se.

Como em tudo na vida, é preciso ter memória e saber respeitar a história, sob pena de não se ter futuro e, por isso mesmo, comecei a tentar recordar-me de quem foi a ideia do Metro e qual foi o Governo que o prometeu a Coimbra.

Recordo-me de ter sido o então governador civil que fez o desafio ao Governo liderado por Cavaco Silva e que, desde logo, foi aceite pelo então ministro das Obras Públicas, Valente de Oliveira.

Daí, justificar-se que a morte do Metro Ligeiro de Superfície seja anunciada por um Governo liderado pelo PSD. Coisas da vida e da coerência política ou não.

Dito isto, Coimbra não deve deixar-se adormecer, outrossim reivindicar transportes alternativos eléctricos para a sua cidade.

Devemo-nos congratular com o sistema ferroviário entre Serpins/Coimbra B, porque o que se adivinhava de transportes alternativos rodoviários seria um retrocesso do que já tínhamos, e que sempre serviu melhor as populações. É claro que dispensamos a velha automotora terceiro-mundista.

E, já agora, o que pensará a sociedade civil sobre esta matéria?

Entretanto, a política local tem na sua agenda a redução das freguesias. De forma oportuna, o líder da Assembleia Municipal do PSD lançou o repto para se constituir uma equipa com todos os partidos políticos.

Para meu espanto, tanto quanto li, aceitaram e até já se fazem consultas nas freguesias entre os militantes dos diversos partidos políticos.

Recordo-me que a ideia de uma reforma administrativa foi lançada por António Costa, à época ministro, e que os partidos políticos não constituíram nenhuma equipa para estudar a questão, uma vez que, segundo diziam, era o Governo que deveria apresentar propostas concretas.

No meu entendimento, o actual Governo, por imposição das negociações com a troika, retomou a mesma questão, mas deverá também assumir as suas responsabilidades, apresentando alternativas concretas, e não querer passar a responsabilidade a terceiros.

Estas e outras razões deste tipo, cada vez mais me demonstram o que só a regionalização pode resolver. Cinco grandes regiões que, de uma vez por todas, substituam o já esgotado sistema de desenvolvimento em Portugal. Este último que, desde 1974 (talvez até antes), se alicerçou em torno das áreas metropolitanas de Lisboa e Porto, poderá criar uma forma de desenvolvimento sustentado e equitativo, combatendo as assimetrias que ainda hoje todos sentimos.

Sei que alguns irão dizer que será um aumento na despesa pública, o que é uma enorme falsidade e, acima de tudo, serve para manter o actual estado de coisas.

One Comment

  1. Henrique Costa says:

    Pode representar mais despesa mas de certeza também vai resultar em mais receita! Onde é que o governo central investiu na criação de riqueza na cidade? Vai agora atacar a sério a riqueza maior que temos que é os HUC. Onde esteve a proteger o investimento privado da obstrução feita pelos todo-poderosos, prepotente e incompetentes senhores dos serviços públicos, alguns referenciados neste artigo. Coimbra é a cidade mais portuguesa de Portugal, tal como o país é bom aluno da Troika, Coimbra é boa aluna do autista governo central… é a vida. como dizia o outro!

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*