O nosso jardim

Francisco Queirós

Alberto João Jardim existe. É tal a amplitude da personagem que é, ou julga ser, uma marca. Tal a peculiaridade. Jardim procura fazer-se confundir com a Madeira. Ele é, diz, a autonomia.

A ele se deve uma assinalável melhoria das condições de vida dos madeirenses, mergulhados na mais profunda miséria nos tempos do colonialismo de Lisboa nos anos de Salazar e anos depois catapultados para a Europa.

Por Jardim, claro. Jardim sabe que nas últimas décadas a autonomia e o poder regional lá, como no continente o poder local, transformaram e muito a vida das populações. Numa terra paradisíaca, mas onde reinava a miséria mais profunda, a autonomia, o poder regional e local consagrados na Constituição da República foram factores de progresso.

Como por todo o país, o poder local que agora corre riscos de ser aniquilado foi fundamental para melhorar a vida das populações. Mas Jardim agarra-se a essa conquista da Revolução de Abril para colher dividendos pessoais.

Jardim quer ser a Madeira e que a Madeira seja o Jardim. Jardim, que viveu parte da sua vida em Coimbra onde estudou muito pouco, mas gozou muito em treze anos de frequência (raríssima) da Faculdade de Direito, só é igual a si mesmo. Incomparável a quem quer que seja. Jardim será uma marca. Se o for a arrogância palonça, o grotesco, o ridículo e o patético.

Jardim é um desses muito raros personagens que se fosse de ficção não seria credível. Guionista de cinema ou escritor que o criasse seria alvo de duras críticas pelo exagero da caricatura levada ao absurdo, ao inacreditável, enfim ao impossível. Jardim conta com décadas de governação avalizadas pelo voto popular e essa é uma legitimidade real.

Valerá a pena analisar as suas causas. Mas quaisquer que sejam, e se as há, o povo escolhe e nós não escolhemos o povo. Diferente é a legitimidade que lhe é constante e sucessivamente brindada por muitos sectores da sociedade insular e continental, o seu partido, senhores da finança, barões da economia e vários responsáveis políticos.

Afinal, se a Madeira é do Jardim, o Jardim é de alguém. Jardim alcança a graça de misturar o que nem sempre casa bem, a imagem de laparoto e a de chico-esperto, a de “pai de todos” e a de pequeno tirano de paróquia.

Mas alguém lhe deu e dá a mão. Se não servisse, há muito que Jardim teria perdido a graça. Contudo conserva-a! Podem agora alguns sentirem-se pouco cómodos com as últimas revelações das habilidades do artista. Na verdade, a companhia de circo é acarinhada e afilhada com ternura desde sempre. Jardim não é um qualquer “deus ex-machina”. Não será um filho da máquina?

One Comment

  1. Paleio, paleio, paleio. Se fizesse alguma coisa de útil por Coimbra e deixa-se de palear tanto e sem qualquer sentido, talvez viesse a ter mais valor…

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*