Novo ano letivo arranca com escolas particulares a quererem recuperar do “susto” dos cortes

Posted by

Começa o novo ano letivo e as escolas do ensino particular, com contrato de associação, “respiram” melhor do que em janeiro. Vão ter mais turmas e mais dinheiro, por turma, do que contavam. Mas a “luta” não acabou e, no sábado, 10 de setembro, o Movimento SOS Educação volta a reunir-se, em Coimbra.

A perspetiva era “negra”: no início de agosto, os nove colégios do concelho de Coimbra sabiam que teriam de cortar dezena e meia de turmas. Sabiam, também, que o Governo “apenas” pagaria 80.080 euros, por turma e por ano. Sabiam, ainda, que o panorama seria bem pior, nos próximos anos.

Para além disto, havia as ameaças do fim dos pares pedagógicos (em Educação Visual e Tecnológico e em Estudo Acompanhado). E também do Desporto Escolar incluído na componente letiva e, portanto, pago.

Austeridade nas escolas logo em janeiro

Claro está que as escolas reagiram. Assim, à luta tenaz, travada nas ruas e nos gabinetes, acrescentaram medidas de gestão drásticas. Logo em janeiro, houve professores dispensados e outros com cortes nos ordenados. Na preparação do novo ano, avançaram mais despedimentos e também ajustamentos administrativos que afetaram os docentes: redução de horas de apoio, de direções de turmas, aumento de carga não letiva…

Entretanto, tinha havido mudança de governo. Agora, o Ministério da Educação é “comandado” por gente dos partidos que, antes, tinham apoiado as posições do ensino particular.

Mas a mudança de cor e de orientação política demorou a notar-se. Até que, de repente, a iniciativa de um grupo restrito de escolas, maioritariamente de Coimbra, permitiu que o cenário mudasse.

Versão completa na edição impressa do DIÁRIO AS BEIRAS de 8 de setembro

One Comment

  1. isabel oliveira says:

    Em Coimbra existem várias de escolas oficiais, de boa qualidade, conforme fica comprovado ano após ano… porque diabo vai o Estado subsidiar as escolas do ensino privado, havendo vagas nas escolas de ensino publico? Afinal, onde está a contenção de despesa? Depois lá vem os cortes no vencimento, aumentos de impostos, aumento do pão, etc etc…. Diz o Mário Soares que vai haver uma revolução a sério… sério é o problema causado por anos e anos de "desgovernação" da sociedade, ao invés do "governo" de alguns!!!!! No ensino privado, atingem-se outros objectivos?…. Talvez! Que se peçam os mesmos para o ensino publico! Ou então, por opção pessoal dos que melhor podem pagar o ensino privado, que os seus educandos o frequentem, mas não com a contribuição do Estado, para onde todos nós pagamos! Como é que se podem gerar cortes na saúde e permitir tal contributo na educação em escolas privadas? Sinceramente não compreendo e isto é uma afronta ao cidadão comum.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*