Câmara de Montemor-o-Velho contra encerramento da estação dos CTT na Carapinheira

O executivo camarário de Montemor-o-Velho manifestou-se contra o anunciado encerramento da estação dos correios de Carapinheira e vai dirigir uma carta de protesto à administração dos CTT para tentar travar o processo, disse fonte da autarquia.

Segundo uma nota da autarquia montemorense, o presidente da Câmara, Luís Leal (PSD) defende que a freguesia da Carapinheira “concentra uma série de importantes serviços, quer a nível da banca, saúde, educação e comércio, que seriam fortemente afetados pelo encerramento desta estação de correios”.

Segundo o autarca, aquela estação dos correios “também serve os habitantes de freguesias limítrofes desprovidas deste serviço” e o seu encerramento “vai implicar não apenas um entrave no desenvolvimento dos demais serviços existentes, como um maior afastamento das populações mais idosas e desfavorecidas”.

Também o vereador da oposição socialista, Emílio Torrão, se manifestou na reunião de Câmara contra o encerramento da estação dos CTT alegando que a Carapinheira “é uma das freguesias mais populosas do concelho”.

“Os CTT, apesar de serem uma empresa, prestam um serviço público relevante e, por isso, têm também de ter em linha de conta a necessidade dos mais idosos em usufruir de uma prestação mais alargada de serviços e que vai mais além do que o serviço postal”, frisou.

O executivo autárquico manifesta a intenção de enviar uma “carta de protesto” à administração dos CTT e desenvolver contactos “numa tentativa para travar o encerramento”.

A contestação ao encerramento das instalações dos CTT na Carapinheira surge após uma carta enviada à autarquia pela Diretora de Gestão do Serviço a Clientes do Centro Norte da empresa, onde dá conta dessa intenção.

“Existe um número elevado de estações de correio cuja afluência de clientes tem vindo a diminuir, situação esta particularmente notória na Carapinheira”, refere a nota da autarquia, citando a carta dos CTT, acrescentando que “não estão reunidas as condições para a manutenção da prestação de serviços postais”.

Na carta, e como alternativas, os CTT indicam um agente ‘payshop’ com posto de venda de selos a 50 metros do posto a encerrar ou as estações de Montemor-o-Velho, a 5 quilómetros e de Arazede, a dez quilómetros de distância, diz a nota camarária.

One Comment

  1. Já agora façam alguma coisa por Pereira, pois que por mais reclamações que se façam nada se resolve. Pereira duplicou a sua densidade populacional e continua a ter um gabinetezinho dos Ctt na junta de freguesia, e ás horas que a junta entender. Deplorável a liberdade de acção dada aos Ctt por parte das Autoridades locais… Era bem melhor que de vez estes perdessem a exclusividade do correio postal, venha o mais depressa possível uma empresa privada que ponha o dedo no nariz dessa 'gente'.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*