Orquestra de serviço

A Orquestra Clássica do Centro fez dez anos e este jornal entrevistou a sua diretora – Emília Cabral Martins. Fez muito bem. Uma entrevista em estilo claro e com um discurso delicado, mas seguro e frontal, com as ideias firmes e a determinação de quem faz o que deve ser feito. E como deve ser feito.

Já aqui o referi, uma das coisas que impressionou foi o modo como a Orquestra Clássica do Centro começou a trabalhar desde o princípio, com uma vontade e um entusiasmo que nos tocava, e que foi capaz de manter, sempre num ritmo elevado e constante, transformando-se num facto para nós surpreendente.

Lendo agora o que diz a sua diretora fica-se a saber que foi intenção, desde o princípio, estabelecer uma rede de protocolos com as autarquias para levar a grande música a todo o lado a ao maior número possível de pessoas. E que, portanto, não se tratou de um entusiasmo juvenil, a esmorecer depressa, mas de um programa seguro, pensado e em contínua execução.

E que outro objetivo foi dotar a cidade de Coimbra de uma orquestra residente. E por que não, se Coimbra tem uma tão rica tradição musical? E se Lisboa tem várias orquestras e o Porto tem também a sua, por que não Coimbra? Ah, mas aqui, alto lá, as cordas precisam de mais energia e os metais de mais pulmão. Sabendo que não se pode contar, trabalhando em Coimbra, com os subsídios que, mais perto do poder, flúem melhor, é preciso provar que os merecemos. E a Orquestra arregaçou as mangas e transformou-se logo num agente de difusão musical qualificado trabalhando em grande ritmo por todo o Centro de Portugal, e não só. Se queremos o “luxo” de uma orquestra nós temos que provar que ela aqui não é um luxo para ocasiões especiais e públicos selecionados, aqui uma orquestra tem muito que fazer, não tem mãos a medir. Não faltam cidades e vilas onde nunca chegou nada de semelhante, temos em potência um público vasto, diverso e muito carenciado, que nunca ouviu música clássica ao vivo. Esta é a grande tarefa da Orquestra Clássica do Centro: satisfazer e multiplicar os melómanos da cidade, e ir aos lugares da carência despertar nas pessoas o sentimento e o desejo da beleza que não conhecem, mas adivinham, e que depois agradecem, rejuvenescidos pelo sentimento de haver melhores mundos do que aqueles que sempre lhe deram. Daí também a sua missão pedagógica, nas escolas, nas associações culturais, e as suas ramificações em ação: o Coro, a Orquestra Juvenil e o Canto de Rua.

E se os duzentos mil habitantes de Coimbra talvez não cheguem para manter uma orquestra sinfónica, os dois milhões e meio da Zona Centro são mais que suficientes, desde que haja um programa que leve até eles a música, de modo continuado e regular. E tem sido isso que a Direção da Orquestra tem feito.

Neste trabalho louvável e nesta notável prova de vida os sucessivos Ministérios da Cultura têm reparado pouco. Para além de um ou outro apoio esporádico, tem sido a Câmara Municipal de Coimbra, alguns mecenas e o público, a aguentar a Orquestra. Ora, num país em que há muitos a prometer e poucos a fazer, era de justiça que se começasse a apoiar os que de facto fazem e querem continuar a fazer. E, obviamente, devia ser segundo critérios, a partir de projetos, em concursos públicos e tendo em conta os currículos.

Ainda na semana passada aqui falei na diversidade, quantidade e qualidade de realizações que o Museu da Ciência tem mantido desde há quatro anos. Ora bem, a Orquestra Clássica do Centro anda a fazer algo de semelhante há dez anos. Coimbra afinal sabe fazer as coisas. Quando é que começamos a apoiar os que merecem e a recompensar o mérito? Portugal e a cultura portuguesa ficariam muito agradecidos e devolveriam em dobro ou triplo.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*