FMI volta a bater à porta. Entra?

Posted by

Tudo se precipitou ontem na economia portuguesa. A queda abrupta do títulos dos bancos na Bolsa, o aumento de juros da dívida pública acima dos sete por cento (entretanto controlado pela compra de parte da dívida pelo Banco Central Europeu) e as movimentações políticas sobre a iminente entrada do Fundo Monetário Internacional (FMI) deixaram os agentes económicos e o Governo à beira de um ataque de nervos. Isto em vésperas do leilão de dívida pública, que terá lugar amanhã, com o objetivo de obter cerca de mil milhões de euros de dinheiro emprestado.

Se os juros pedidos pelo mercado comprador voltarem a subir acima dos sete por cento, não deverá restar outra saída ao Governo do que pedir ajuda financeira internacional. Assim aconteceu com a Grécia e Irlanda, que pediram apoio financeiro a Bruxelas poucos dias depois dos respetivos juros terem atingido esse patamar, em abril e novembro de 2010, respetivamente.

A subida dos juros exigidos pelos investidores no mercado secundário leva alguns analistas a defenderem que Portugal deve ponderar o recurso à UE e ao FMI, onde o preço do dinheiro ficaria mais barato.

A chanceler alemã, Angela Merkel, garantiu ontem que nunca irá pressionar qualquer país para acionar o plano de ajuda europeu, mas acrescentou que os fundos estão disponíveis para Portugal, se forem necessários.

União Europeia tem culpa

Analisando a situação, ainda recentemente, o professor auxiliar da Faculdade de Economia de Coimbra, Júlio Marques Mota, enviou uma carta aberta a Durão Barroso onde defende que se acabe “com a especulação contra a dívida soberana e contra as instituições financeiras ou da economia real, criem-se regulações sérias para o mercado de trabalho, em suma, mude-se a política global da União”.

Na sua opinião há um “tsunami silencioso que durante décadas tem desgastado, passo a passo, o próprio cimento onde assenta a construção europeia”, baseado numa “globalização selvagem, sem regras, que a União Europeia defende”.

Entretanto, hoje e amanhã, a comissão de eurodeputados constituída para acompanhar a crise financeira e liderada pela portuguesa Elisa Ferreira, está em Lisboa para reuniões, com o ministro das Finanças, governador do Banco de Portugal e instituições bancárias, entre outros.

Os parlamentares do Partido Popular Europeu (PPE) aproveitam a ocasião para se encontrarem com Passos Coelho. A família política do PSD na Europa considera que a possibilidade do país recorrer ao Fundo de Emergência Europeu “está na ordem do dia”, até porque “este é um procedimento muito semelhante ao que aconteceu com a Irlanda”, afirmou a eurodeputada Regina Bastos.

 

2 Comments

  1. pedro da franca says:

    FMI para Portugal e em força, temos que acabar de vês com um estado social ingovernavel e caro, com os subcidios e com uma função publica sem habitos de trabalho (docentes, funcionarios de saúde, funcionarios minesteriais e camararios etc) . É uma vergonha um país inteiro a trabalhar para alimentar gente preocupada com o umbigo (progressão na carreira, promoções automaticas, auto avaliação, salarios , ferias e GREVES) … a função publica e o estado social estão a matar Portugal. Mas o peor é que este é o cancoro da Europa, toda a união se habituou a viver pendurada em quem trabalha e criou uma geração de parasitas, desta forma nunca conseguirems ser competitivos como a verdadeira união que se chama Estados Unidos da America esses sim vivem do trabalho e da iniciativa

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*