Dr. Augusto César de Carvalho: desapareceu um amigo

No dia primeiro do ano fomos confrontados com a triste notícia do falecimento do Dr. Augusto C. de Carvalho. Tinha-o visitado ainda há pouco tempo na sua casa em Souropires e estaria muito longe de pensar que o seu fim estaria tão próximo.

Era um Homem com H grande, na verdadeira acepção da palavra. Lutador, amigo do seu amigo e principalmente muito culto, inteligente e educado, tendo adoptado ao longo da sua vida os princípios e os valores da verdade e da dignidade.

Desempenhou funções de grande responsabilidade na admnistração pública, no Governo Civil da Guarda, na Câmara Municipal de Mêda e no sector empresarial. Esteve sempre muito pronto a ajudar e apoiar as instituições: convém lembrar a sua atitude altruísta de doar a sua biblioteca pessoal que continha cerca de sete mil livros à Biblioteca Municipal de Mêda, dando um grande contributo para o desenvolvimento cultural da sua terra natal, a Mêda.

A sua última aparição pública na Mêda ocorreu, precisamente, por ocasião da inauguração da Biblioteca Municipal de Mêda, em Dezembro de 2008, tendo ali um espaço reservado que o homenageia, e aí se encontrou com o actual Presidente da República, o Prof. Aníbal Cavaco Silva, que considerava.

A Mêda perdeu um dos seus filhos mais ilustres. A Mêda e o distrito da Guarda estão assim de luto, pois desapareceu um dos seus maiores vultos e que a todos nos vai deixar muitas saudades.

O exemplo de vida que o Dr. Augusto nos deixa é o melhor legado que podemos guardar em respeito à sua memória. Sem ele e sem a sua acção, o concelho de Mêda estaria mais pobre.

Em Março de 2007, a autarquia medense prestou uma singela homenagem com a edição do livro “Augusto César de Carvalho – A Obra e o Homem”. Repito algumas das palavras que então escrevi: “Este livro representa uma simples, mas justa, homenagem a alguém que dedicou parte da sua vida à causa pública. A obra e o exemplo ficam. Por essa razão não podíamos ficar indiferentes ao homem e político que foi o Dr. Augusto César de Carvalho. Em nome dos cidadãos que representamos, o nosso bem-haja.”

Estas palavras que então escrevi com sinceridade continuam, sempre, a ser actuais. Agora com uma consideração acrescida, de ver desaparecer um amigo leal, que sempre prezei e hei-de recordar. Todos ficámos muito tristes por este infausto acontecimento e mais pobres porque perdemos um amigo.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*