Criminologista diz que crimes entre homossexuais são “mais violentos”

O criminologista Barra da Costa afirmou hoje que os crimes entre homossexuais são, normalmente, “mais violentos”, com “muito sangue” e recurso a armas brancas por serem silenciosas e simbolizarem “o corte” da relação.

Em declarações à agência Lusa, a propósito do homicídio em Nova Iorque do cronista Carlos Castro, Barra da Costa disse que este tipo de crimes, com tal grau de violência, “não é habitual em Portugal”, embora também exista.

Sobre a “eventual mutilação” da vítima, o inspector-chefe da Política Judiciária (PJ) afirmou que “tanto acontece nas mulheres que matam os homens, como nos homossexuais”.

A diferença está, para Barra da Costa, no grau de violência, “muito maior nos homossexuais”: “Há sempre muito sangue, simbolizando o corte e a rutura, através de um instrumento cortante que acaba por ser um objeto silencioso”.

Esta violência “é aparentemente contraditória com a ideia estereotipada de que os homossexuais são mais sensíveis, mais efeminados”.

O criminologista não vê este crime como uma reação agressiva. “Por detrás da agressão, há uma prática em que o homicida estava a interpelar o grupo a que estava a pertencer”, disse, concluindo que, “seja ou não, socialmente [quem estava com Carlos Castro] é homossexual”.

Sobre a alegada castração da vítima, Barra da Costa considera ser “fundamental” para a investigação saber se esta foi praticada antes ou depois da morte.

Acrescentou que hoje em dia uma eventual confissão do alegado autor do crime “nada representa, sem os fatores científicos”.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*