Casamento gay em Viseu com recato

Posted by

Foi necessário acautelar que a cerimónia se realizasse com recato, num local discreto e com proibição de fotografias, para garantir que o primeiro casamento gay em Viseu ocorresse em paz. Foi no sábado passado que dois homens, de 35 e 50 anos, formalizaram legalmente a sua união na presença de uma conservadora da cidade.

O facto, que começa agora a ser encarado com naturalidade no país, reveste-se de contornos específicos nesta cidade, onde se registou em 2005 uma série de queixas de perseguição a homossexuais e ameaças de morte. Nessa altura falou-se que Viseu era a “capital da homofobia”, até porque chegou a sair à rua uma manifestação contra a homossexualidade.

A recente cerimónia do casamento gay registou-se um ano após a aprovação em Conselho de Ministros da proposta de lei sobre casamento de pessoas do mesmo sexo, data que se assinala na próxima sexta-feira, 17 de dezembro, embora a lei n.º 9/2010 só tenha sido publicada a 31 de maio deste ano. Logo a seguir, nas celebrações do Natal de 2009, durante a missa, o bispo de Viseu criticou com veemência a proposta de lei do Governo, considerando-a “infeliz, despropositada e injusta”.

Ao mesmo tempo, na Internet, o bispo D. Lídio Leandro publicou uma mensagem onde lembrava que “o governo de Portugal brindou o Povo Português, nesta quadra natalícia, com uma decisão que é, no conteúdo, na forma e no tempo, um atentado à família”.

Entretanto, parece ter-se operado algumas alteração de mentalidades no que diz respeito à liberdade de orientação sexual de cada um. Um fenómeno reconhecido por Carlos Vieira, da Associação Olho Vivo em declarações ao Diário de Notícias: “a realização do primeiro casamento homossexual numa cidade conservadora mostra que Viseu está mais tolerante e que, também aqui, se cumpre a Constituição”.

Nesta cidade, tal como em outras do país, há agentes de forças de segurança que estão a receber formação da associação Intervenção Lésbica, Gay, Bissexual e Transgénero (Ilga) Portugal, para atender queixas de situações de ódio contra homossexuais ou transexuais. “A noção que temos é de que há uma subnotificação em geral dos crimes contra as pessoas LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e transgéneros) motivada pela homofobia”, disse, a propósito, Paulo Côrte-Real, presidente da Ilga, que anunciou há cerca de dois meses, as ações de formação.

Paulo Côrte-Real ainda se lembra da milícia anti-gay que perseguia e agredia homossexuais em Viseu há cinco anos. À época, a PSP identificou cinco homens e duas mulheres, com idades compreendidas entre os 20 e os 30 anos, como suspeitos de alegadas ameaças e injúrias.

4 Comments

  1. Felicidades ao casal! 🙂

  2. Querem é chamar a atenção da familia, aposto que daqui a alguns dias já está a decorrer o divórcio.

  3. A.I… axo muito bem… ja era tempo.. de haver igualdade… as pessoas tem o direito de escolher com quem querem partilhar a sua vida amorosa…. ninguem de certeza k nasce a quer ser gay!… percebam que e dificil reprmir quem se é… doi muito…vivamos tds em paz… e cada um vive e faz da sua vida o k quiser….

  4. isabel 55@iol.pt says:

    nao sei porque tantos perconceitos,toda a vida ouvi falar nisso ….só que escondiam esta na hora de mandar para toda a gente ver.cada um faz da sua vida o que quer. parabens aos meus vizinhos

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*