“Poderes” mandam, razão oculta-se – II

DIAS NACIONAIS – Só conheço dois: o 5 de Outubro de 1143 (já lá vão 867 anos), último dia do Tratado de Zamora, que marca a Fundação de Portugal e o 1.º de Dezembro de 1640. Recordo as palavras do meu Prof. de História do 2.º ciclo do liceu (tantos anos passados!): “Sou Republicano e Agnóstico, mas tenho que reconhecer que os únicos dias, para todos os portugueses, dignos de ser em feriados nacionais, são o Dia da Fundação e o 1.º de Dezembro de 1640, os outros significam divisão dos Portugueses”, e que “O maior homem do nosso tempo é o Papa Pio XII”. Sic.

PRESERVATIVO (?) – “Finalmente! O Papa admitiu o uso do preservativo”. Frases “ditas ou escritas por ateus que nem se deram ao trabalho de ler algumas linhas de um artigo de jornal, quanto mais o livro de Peter Seewald (2010), “Luz do Mundo. O Papa, a Igreja sinais dos tempos” e o artigo de A. Marujo no Público (2/11): “Papa admite uso do preservativo em certos casos mas mantém que não é solução” (in. Correio de Coimbra). “Escândalo!”, no tema Democracia e Cristianismo, Manuel J. Matos disse-o bem, como eu não serei capaz de fazê-lo.

A propósito, não percebi aquela do “director do Centro do Instituto Português da Juventude” – a vida heterossexual é a principal forma de transmissão” – VHS ( As Beiras de 01/12). Mas vou-me informar científica e realmente, o que não foi feito pelo declarante.

Epílogo (?) – 1. “1946 – É constituída a República Italiana. Os eleitores, em referendo, recusam a monarquia” (efeméride de 2/06).

Em Portugal, a maioria, almeja pelo referendo alterada que seja a semi-democrática Constituição da CRP. Mas consulta previamente bem informada.

Na Itália, o rei foi um prisioneiro, no seu palácio, do ditador Mussolini; mas, logo que teve possibilidade, demitiu-o e obrigou-o a fugir e a “fundar” outra “República” (…) no N. de Itália. O que se não diz é que o resultado do referendo foi manipulado e imposto pelas forças ocupantes dos EUA.

2. Cimeira da NATO – Muito se falou no Afeganistão. Uns dizem que os culpados são os Talibãs, outros, que são as tropas estrangeiras. Solução à vista não há. Mas ninguém relata que ali reside o Rei Ahmad do Afeganistão que nenhum lado afegão contesta. Porque não procurar a solução no regresso da Monarquia?

3. Fim – Os complexos norte-americanos (equívocos) assim tão permanentes e que não esquecem que foram obrigados a fugir da Grã-Bretanha em consequência das lutas religiosas e as colónias então formadas se revoltaram contra os encargos impostos pelo Parlamento Inglês e não pelos reis…

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*