“João Paulo tem mais paciência”

Posted by

8 de dezembro. Foi, nesta data, que Carlos Encarnação tomou a decisão de deixar a liderança da autarquia. E as razões são conhecidas: “estou farto de aturar este Governo. E como as questões fundamentais para a cidade dependem de soluções governamentais, não estou para ficar aqui a fazer figura de corpo presente”.

Metro Mondego, que foi “a tampa da panela”, autoestrada Coimbra-Viseu, IC3, a estação de comboios, processo do Hospital Pediátrico e do IC2. “São questões que não podem acontecer a uma cidade como Coimbra”, disse, ontem (17), o (ex)-presidente, reclamando desigualdade no tratamento do Governo de José Sócrates. O resultado desta medida está à vista: “Coimbra está um concelho bloqueado”.

Na hora da saída, Encarnação tem a certeza de que “tudo o que estava por conta da câmara, foi feito. Não posso é substituir-me ao Governo”.

Sobre as repercussões que a sua decisão teria junto de José Sócrates, o autarca disse que “não fazia ideia nenhuma”. Bem diferente terá sido a resposta do líder do PSD, Pedro Passos Coelho. Encarnação comunicou a decisão e o presidente social-democrata respeitou a sua decisão e percebeu que, “em relação a esta questão, não podia intervir”.

Sobre o futuro, garantiu que não o verão a fazer “contra-vapor” contra a equipa que passa a liderar o destino da autarquia. João Paulo Barbosa de Melo – “vice presidente mais novo do que eu e, portanto, com mais paciência” – será o presidente a partir de segunda feira.

O mesmo dia em que o executivo, já com João Orvalho na equipa, discutirá o orçamento de 2011 – diminui de 149 para 139 milhões. Um documento “equilibrado” e também “muito interessante”, considerou, e que resulta dos aumentos no ano de 2011. “Temos de equilibrar o nosso orçamento para podermos equilibrar a despesa”, referiu.

2 Comments

  1. O encarnação para o ano tinha que escolher entre a reforma e ordenado e deu nisto, mais um presidente de câmara que passou e não fez nada, tantos anos e nada rigorosamente nada, Coimbra indústria não tem. Ao menos que viesse o de penela, agora este é igual ao pai.

  2. gandaburro says:

    Este Carlos Encarnação é intelectualmente desonesto. Se o Barbosa de Melo tem mais paciência, então deveria ter sido cabeça de lista. Isto é um golpe baixo para lançar o Barbosa de Melo, enganando o eleitor, é a paga por o Nuno Encarnação ter ido nas listas do PSD. O PSD de Coimbra é dinástico e move-se por critérios de conveniência imediata e compadrio. Olhem para o curriculum do Encarnação: governador-civil, vereador, deputado, secretário de estado, presidente da câmara. Um boy perfeito, um carreirista. Dêem um giro pela cidade: está podre, velha, suja, abandonada, decadente. Se querem o contraponto, vão a Évora, Guimarães, Braga, Viana do Castelo. O Machado e o Encarnação ficarão na história por terem destruído a cidade. Eles governaram-se, a si e aos amigos. No centenário da República é lamentável ver a dinastia republicana de Coimbra, quer para o PS, quer para o PSD. Querem provas? Sigam os seguintes apelidos: Mendes de Abreu, Canha, Barbosa de Melo, Antunes, Almeida, Encarnação. O que têm em comum? Continuidade! Há filhos com estes apelidos a desempenhar cargos autárquicos, em empresas municipais ou em estruturas partidárias, militando nos mesmos partidos em que os pais se militaram, sem que os rebentos tenham provas dadas ou se afirmem noutros municípios ou noutros partidos que não os do papá. Isto só lá vai à bomba! Quando os BMW e os Audi de serviço começarem a arder não se queixem.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*