Refer suspende obras do metro

A Refer vai suspender as empreitadas em curso no Ramal da Lousã. A notícia foi dada, através de carta, pela empresa aos dois empreiteiros responsáveis pela obra. No ofício a que o DIÁRIO AS BEIRAS teve acesso, a empresa refere que vai suprimir as intervenções referentes às especialidades de via-férrea e catenária previstas para a empreitada de reabilitação das infraestruturas no troço Alto de S. João/Miranda do Corvo e que envolviam um montante de 6.734.169,90 de euros, e para o troço Miranda do Corvo/Serpins, num investimento de 6.536.635,58 de euros.

A Refer justifica a supressão dos trabalhos em curso com o Plano de Estabilidade e Crescimento (PEC) aprovado pelo Governo que – salienta – “estabeleceu limites ao endividamento por parte das empresas do Setor Empresarial do Estado, o que inevitavelmente determina a necessidade de ajustamentos nos investimentos anteriormente programados”.

Recorde-se que em outubro, Álvaro Maia Seco apresentou a sua demissão do cargo de presidente da Metro Mondego, na sequência da sua extinção e integração na Refer. Contactado ontem pelo DIÁRIO AS BEIRAS, Álvaro Maia Seco disse não conhecer a decisão da Refer.

5 Comments

  1. EDUARDO COSTA says:

    Era uma vez o metropolitano Coimbra – Lousã, veio o Sr. Socrates e lá se foi …… o comboio, o metro, a camioneta, talvez uma ciclovia a substituir o ramal ou uma frota daqueles TUK-TUK, mas metro ? Isso é coisa de novos ricos e só para Lisboa e Porto o resto do País é só paissagem. Rica prenda de Natal para a região Centro

  2. Patrícia Melo says:

    Uma vergonha sem paralelo. Mentirosos. Deviam ter vergonha por não cumprirem a sua palavra. Não sabiam desde 2008 que havia uma crise a bater-nos à porta? Porque não optaram por electrificar a linha? Incompetência. Que os órgãos de comunicação social espalhem tamanha vergonha.

  3. Vou usar a bicicleta para fazer BTT até coimbra. oponham-se , não votem nas presidenciais. revoltem-se. País de gatunos , país de grandezas em Lisboa. Começo a ser apoainte de Pinto da Costa quando diz que só quer ver Lisboa a arder. Apesar de benfiquista começo-lhe a dar razão.

  4. Socialistas????Desde 1976 que o Cabecilha deles que ajudou no assalto ao banco de portugal,entrou em Portugal e fez parte dos governos,só fez Caca grossa,principalmente na marinha mercante mas os portugueses não aprendem e vão continuar a votar neles já que não teem grande visibilidade no horizonte politico…..Deram foi dinheiro à malandragem que não quer trabalhar,quem descontou uma vida inteira,leva uam reforma de m..rda pois há que sustentar os ratos e os parasitas deste país.

  5. Que comentários errónios, comparar outras cidades, cidades essas com défices a niveis de reabilitação e reconstrução enormes. Não tem nada a ver com Lisboa ou Porto, simplesmente como é óbvio as vias de comunicação nas grandes cidades têm de ser maiores, não significa que não tenham défice. O Porto quer mais troço de metro e não consegue, quer ter habitantes a pernoitar na cidade e não existe capital para reabilitar. O Porto têm um défice enorme em vias de comunicação, podem pesqueisar sobre isso e eles não o conseguem resolver. Lisboa tem pessoas a viver em condições menos próprias porque não existe dinheiro para reabilitar.
    Em relação à ligação Lousã-Coimbra, nada que a linha rodoviária não possa resolver, claro que falamos de uma linha rodoviária mais activa.
    Cidades grandes, têm pelo menos 10vezes ais pessoas a movimentarem-se que a vila da Lousa, se falhar um tipo de transporte, ferroviario, nautico ou rodoviário, é um caos enorme, nada comparável. Agora foi um investimento desnecessário o metro para a Lousã, na altura que foi, concordava apenas em reabilitar a rede sim… e na mesma, reforçar a linha rodoviária, que chega muitas vezes onde a ferroviária não chega.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*