Fusão dos hospitais de Coimbra pode representar menos 11,5 milhões

Posted by

Com a aprovação na generalidade do Orçamento do Estado/2011 (OE), segue-se a discussão do documento na especialidade.

É neste âmbito que será debatida a proposta do Governo de proceder à fusão dos Hospitais da Universidade de Coimbra (HUC) com o Centro Hospitalar de Coimbra (CHC) e o Centro Psiquiátrico de Coimbra.

A concretizar-se, significaria que os dois grandes hospitais de Coimbra, bem como as duas maternidades, o Hospital Pediátrico, o Hospital Sobral Cid, o Hospital do Lorvão e o Centro de Recuperação de Arnes ficavam sob administração de uma só estrutura de gestão.

Cerca de 5.600 funcionários dos HUC, 2.700 do Centro Hospitalar de Coimbra e 520 do Centro Psiquiátrico – num total de cerca de 8.400 pessoas – serão envolvidos nesta reconversão, com a previsível passagem para o quadro de disponíveis de alguns e mobilidade de outros.

A fusão de todas estas unidades poderia representar uma considerável poupança de verbas atendendo a que o orçamento conjunto ascende a 450 milhões de euros/ano, ou seja – só como termo de comparação – o mesmo que o Executivo injetou no buraco do Banco Privado Português (BPP), 0,25 por cento do PIB.

De acordo com um recente despacho da ministra da Saúde, os hospitais terão de fazer um corte na despesa de cinco por cento em 2011, o que representa 11,5 milhões de euros em Coimbra. A fusão, caso seja para avançar, deverá representar outro tanto.

3 Comments

  1. Lá vamos nós pagar a factura,os doentes,os carenciados, a maioria dos portugueses, porque,esses, a Sra. Mimiatra e seus adjuntos e os ricaços vão para os privados.Triste sina de Portugal…onde vais democracia?Tanto se lutou por um SNS saúde, universal, sem distinções e hoje…?Vão sofrer e quem sabe morrer muitas pessoas nos hospitais,principalmente os mais carenciados, os idosos, a generalidade da população.Basta ver os cortes nos medicamentos,nos exames, nos profissionais de saúde…que is há bons e maus..há é que separar o trigo do joio…dificil não é Srs. Governantes ou (des), Sr. Presidente da República. Homegem ao Dr Antonio Arnaut e ao então seu Secretáro de Estado, já falecido, Dr. Máro Mendes. Se existe algo para além desta efémera passagem… este porá um grande ponto de ? porquê?Abril…acabou…ou quase

  2. Nuno Filipe says:

    Reduzam sim nas mordomias dos administradores dos Hospitais e parem de cortar nos cuidados de saúde de quem mais necessita!

  3. tamos bem tamos vamos de cavalo para burro so nos falta tirar a pele

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*