Acordo Ortográfico é uma decisão política de língua

Posted by

“Em termos de ortografia, não somos só nós que estamos a fazer cedências”. Margarita Correia, investigadora do Instituto de Linguística Teórica e Computacional, desdramatizou, quarta-feira (20), no Casino Figueira, as consequências e mudanças do novo Acordo Ortográfico (AO).

Em particular, a tão discutida perda de identidade nacional. “A língua é muito mais do que ortografia”, lembrou a investigadora. E, a variação do português europeu e brasileiro, é “muito maior do que gramatical”, frisou.

“A principal mudança que o AO traz é a nível legal”, disse. Ou seja, pela primeira vez, a ortografia é regida por um único documento, de nível internacional, representativa de todos os países da Comunidade dos Países da Língua Portuguesa. E o objetivo? “Pretende promover a unidade ortográfica do português, e só esta, procurando conceder-lhe uma maior visibilidade a nível internacional”, explicou.

Margarita Correia desmistificou igualmente a polémica em torno da norma seguida pelo AO. Esta, segundo a investigadora, a parte mais difícil, porque não temos “uma instituição atuante” que defina a norma da língua. “Hoje, a norma, de facto, é Lisboa, porque é lá que estão os meios de comunicação social”, afirma. Contudo, ressalva, “as diferenças entre Coimbra e Lisboa em nada interferem com a implementação do AO”.

2 Comments

  1. MENTIRA. Não há qualquer tipo de unidade ortográfica com este acordo. Em Portugal perdem-se as consoantes mudas em palavras que no Brasil NÃO são mudas, tal como rece(p)ção ou infe(c)ção. Que documento único, Sra Dª Margarita Correia, resolve as palavras com acento agudo em Portugal e circunflexo no Brasil (exp: anó(ô)nimo)? Costuma-se dizer que uma mentira dita muitas vezes se transforma em verdade. Este AO é um embuste e uma leviandade, produto de protagonismos e incompetência. A única coisa certa que diz é este AO ser uma decisão política. E a alteração à língua, um elemento da cultura de um país, NÃO pode ser feita por decreto nem por conveniências!

  2. Mantenha-se ligado

    As últimas em RSS
    AveirobeirasTVCast. BrancoCoimbraCulturaDesportoDestaqueEmpresasFotogaleriasGeralGuardaLeiriaOpiniãoPortugal CentroSaúdeViseuÚltimos Comentários em RSSAssine por emailSiga-nos no TwitterLigar pelo Facebook/ Segunda-feira, 25 de Outubro de 2010 HomePortugal Centro
    Aveiro
    Cast. Branco
    Coimbra
    Guarda
    Leiria
    Viseu
    Opinião Desporto Cultura Empresas Saúde Fotogalerias beirasTV Classificados

    MotoresEmpregoContactosDiversosImobiliárioFarmáciasU2 360º Tour em Coimbra

    História da banda360º TourFun Zone na Praça da CançãoInformações úteisNotícias Diário as BeirasVídeos Diário as BeirasFotos Diário as BeirasFicha TécnicaAcordo Ortográfico é uma decisão política de língua
    “Em termos de ortografia, não somos só nós que estamos a fazer cedências”. Margarita Correia, investigadora do Instituto de Linguística Teórica e Computacional, desdramatizou, quarta-feira (20), no Casino Figueira, as consequências e mudanças do novo Acordo Ortográfico (AO).

    Em particular, a tão discutida perda de identidade nacional. “A língua é muito mais do que ortografia”, lembrou a investigadora. E, a variação do português europeu e brasileiro, é “muito maior do que gramatical”, frisou.

    “A principal mudança que o AO traz é a nível legal”, disse. Ou seja, pela primeira vez, a ortografia é regida por um único documento, de nível internacional, representativa de todos os países da Comunidade dos Países da Língua Portuguesa. E o objetivo? “Pretende promover a unidade ortográfica do português, e só esta, procurando conceder-lhe uma maior visibilidade a nível internacional”, explicou.

    Margarita Correia desmistificou igualmente a polémica em torno da norma seguida pelo AO. Esta, segundo a investigadora, a parte mais difícil, porque não temos “uma instituição atuante” que defina a norma da língua. “Hoje, a norma, de facto, é Lisboa, porque é lá que estão os meios de comunicação social”, afirma. Contudo, ressalva, “as diferenças entre Coimbra e Lisboa em nada interferem com a implementação do AO”.

    Publicado por Vania.Furet em 22-10-2010, 00:29 Arquivado em Geral, Portugal Centro. Pode acompanhar quaisquer respostas a esta entrada através do RSS 2.0. Pode deixar uma resposta, ou trackbacks a esta entrada
    Loading IntenseDebate Comments…
    107751 Comentáriohttp%3A%2F%2Fwww.asbeiras.pt%2F2010%2F10%2Facordo-ortografico-e-uma-decisao-politica-de-lingua%2FAcordo+Ortogr%C3%A1fico+%C3%A9+uma+decis%C3%A3o+pol%C3%ADtica+de+l%C3%ADngua2010-10-21+23%3A29%3A46Vania.Furethttp%3A%2F%2Fwww.asbeiras.pt%2F%3Fp%3D10775 para
    “Acordo Ortográfico é uma decisão política de língua”mpn
    22 de Outubro de 2010 – 8:11
    MENTIRA. Não há qualquer tipo de unidade ortográfica com este acordo. Em Portugal perdem-se as consoantes mudas em palavras que no Brasil NÃO são mudas, tal como rece(p)ção ou infe(c)ção. Que documento único, Sra Dª Margarita Correia, resolve as palavras com acento agudo em Portugal e circunflexo no Brasil (exp: anó(ô)nimo)? Costuma-se dizer que uma mentira dita muitas vezes se transforma em verdade. Este AO é um embuste e uma leviandade, produto de protagonismos e incompetência. A única coisa certa que diz é este AO ser uma decisão política. E a alteração à língua, um elemento da cultura de um país, NÃO pode ser feita por decreto nem por conveniências!

    Comentados recentemente
    entradas recentes
    •Caminho “longo e penoso” terminou ontem nos Montes Claros
    •Biblioteca Joanina mostra microscópio mais antigo de Portugal
    •Homem mata a tiro mulher e alegado amante em Sever do Vouga
    •Câmara de Montemor vai reduzir a despesa em 2011
    •Negócios
    •Quatro i

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*